quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Sim ou Não?


Textos Base: Mateus 5:33,36 e II Coríntios 1:15,24

O cristianismo, nos últimos anos, tem mudado de direção ao redor do mundo. Após se estabelecer no Oriente, dali migrado para a Europa e, da Europa, partido para o resto do mundo; algumas perguntas nos surgem à mente. Que qualidade de Evangelho nós temos para oferecer? Que qualidade de pregação nós temos a oferecer já que somos o “pacote da esperança” do mundo cristão? Afinal, somos o povo do sim ou o do não?

No texto de Mateus, Jesus diz por quatro vezes a expressão Não Jureis e conclui dizendo que nossa palavra como cristãos deve ser apenas sim ou não. Paulo, pregador dos gentios, escreve a segunda carta aos coríntios de modo rigoroso por causa do pecado que se alastrava por lá; como lemos em II Coríntios 1:19 – Cristo não foi sim ou não, mas sempre foi o SIM. Qual é o sim que temos que proclamar ao mundo? Quais os nãos que podemos fincar nossas posições?

Primeiro, gostaria de compartilhar com vocês os nãos nos quais devemos fincar nossas posições:

1º - Devemos dizer não ao pecado,

O pecado, segundo uma definição calvinista, é errar o alvo que Deus tem para o mundo. O homem peca todos os dias através de palavras, pensamentos e obras. Segundo uma definição puritana, pecado é a transgressão voluntária de uma lei conhecida. De acordo com o livro de Tiago, todos que sabem fazer o bem e não fazem, cometem pecado. Paulo, no livro de Romanos, faz-nos uma dissertação sobre o pecado e o autor de Hebreus ainda complementa dizendo que tudo aquilo que tenazmente nos assedia para a carne é pecado.

Enfim, podemos concluir que pecado é tudo aquilo que ofende ao coração de Deus e quem está concentrando no ideal, que é Cristo, não tem tempo para pecar! O pecado tira a nossa liberdade de viver – ele tira os nossos olhos da nossa família, esposa, marido, pais, filhos; porque ele nos envergonha frente a todos que nos cercam - Adão e Eva quando pecaram no Éden se esconderam da presença de Deus por causa do pecado que os envergonharam. O pecado tira a nossa paz!

2º - Devemos dizer não ao mundo,

O mundo em que vivemos jaz do maligno. Jesus nos ensinou a não amar o mundo, pois quem o ama; o amor de Deus não está nele. O mundo seria tudo aquilo que faz parte desse sistema que não agrada a Cristo – padrões morais, religiosos, políticos e financeiros – e por detrás dele há o dedo sujo do diabo. Devemos negar ao mundo!

3º - Devemos dizer não a carne,

A Carne é a nossa natureza que nascemos com ela. Paulo define uma lei (a lei do pecado e da morte) que nós temos que lutar com ela diariamente. Perto da sua execução, Paulo declara a Timóteo que havia esbofeteado a sua carne. Mesmo quando não podemos, somos tentados pela carne. Há em nós um apelo interior para o pecado, chama-se carne. Precisamos nos crucificar com Cristo para que Ele viva em nós. A vitória contra a carne é dada somente através de Jesus, e é quando a vencemos, que permitimos que Cristo que controle tudo em nossas vidas.

4º - Devemos dizer não ao diabo.

No texto de II Coríntios 1:17, Paulo pergunta aos coríntios se por acaso poderia haver nele o sim e o não simultaneamente; e logo responde, dizendo que de maneira nenhuma isso seria possível, pois não podemos estar nos dois ao mesmo tempo. Ninguém pode servir a dois senhores, pois agradará a um e aborrecerá ao outro. Precisamos dizer não ao diabo e sim a Cristo.

Por fim, qual o sim que temos que proclamar ao mundo em trevas?

1º. Devemos dizer sim a Palavra de Deus,

Devemos considerar a Palavra de Deus como inerrante e tudo o que nela está escrito como sendo a perfeita vontade de Deus para cada um de nós. Várias pessoas tentaram derrubá-la, tais como, sábios, doutores, antropólogos e cientistas; mas foi tudo em vão. Mesmo que críticos a digam que tenha cheiro de naftalina, podemos afirmar que ela exala o cheiro da sabedoria de Deus. Foi no ano de 2007, o livro mais vendido no nosso país!

Só existe salvação através da pessoa de Jesus Cristo: Este é o nosso sim! A mim e a ti só cabe anunciar o Senhor Jesus, e este crucificado. A cruz é o local onde o cordeiro foi imolado e pela sua morte, ganhamos vida; e pelo seu sangue, todos os pecados da humanidade foram lavados. Todo aquele que invocar o nome do Senhor Jesus será salvo! Ele deve ser o sim de cada um de nós.

2º. Devemos dizer sim ao Céu – Jesus é a certeza da Vida Eterna!

Nós devemos dizer sim ao Céu, onde Jesus está e nós, que já tomamos uma decisão com Ele, iremos também. Estevam disse pouco antes de ser apedrejado que via os céus abertos e o Senhor Jesus a direita de Deus. Temos que estar preparados, pois os nossos dias estão escritos e contados para que um dia, nós estejamos com Deus no céu.

Será como num abrir e piscar de olhos. De repente, todos os salvos em Cristo serão arrebatados para estarem com Ele para sempre! O céu é um lugar onde não haverá mais choro e ranger de dentes; é o lugar onde Jesus está e aonde iremos para sempre estar com Ele.

Que possamos dizer sim a Palavra de Deus e ao Céu e não ao pecado, ao mundo, a carne e ao diabo; para que um dia possamos todos nós estar com Cristo no paraíso. Deus te abençoe hoje e sempre!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 21/09/2008, domingo, culto das 18:00, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

“Sinais de Deus”


Texto Base: João 6:1,15

Na Índia, cerca de quatrocentas famílias nazarenas, tiveram suas casas queimadas e um pastor de nossa denominação, morto. Outros irmãos evangélicos também têm sofrido grande perseguição por anunciar a Cristo. Todas essas coisas que temos visto e ouvido são sinais da volta de Cristo – perseguições, calúnias e até mesmo, mortes; são sinais de Deus de que a volta Dele está próxima! Assim como o apóstolo Paulo, para nós o viver deve ser Cristo e o morrer lucro.

Sinais são marcas de Deus para fortalecer a nossa fé, encorajar nosso ânimo e contribuir para que àqueles que estão do lado de fora possam ser encorajados a procurarem o Evangelho.

Jesus vendo a multidão com grande fome; se compadeceu dela. O Evangelho de João mostra a natureza de Deus em Jesus. Jesus era o Verbo, o próprio Deus. O Sinal da multiplicação dos pães mostra a todos quem Deus é.

1º - Deus é um Deus de provisão – Ele é um Deus que provê. Da mesma forma que proveu dos céus maná e codornizes para alimentar o povo judeu no deserto, Ele provê tudo de que necessitamos quando colocamos nossas causas diante Dele. Jesus, no texto lido, já sabia o que iria fazer, mas queria saber dos Seus discípulos se eles já tinham aprendido algo de tudo que Ele que já tinha feito antes. Assim, como Abraão diante do sacrifício de Isaque, disse: Jeová Jireh Deus proverá o cordeiro para o sacrifício. Em Filipenses 4:19, também lemos: O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.” Deus supre todas as coisas de que temos necessidade, sejam elas: materiais, espirituais, financeiras ou quaisquer coisas; Deus faz tudo acontecer! Este sinal da multiplicação dos pães e peixes foi para mostrar que Deus é capaz de fazer coisas impossíveis em nosso favor. Pode parecer impossível, mas Deus tudo pode!

2º - Deus é um Deus de prosperidade – Deus nos coloca em lugares que nunca antes imaginávamos; sobre as Suas asas, voaremos para lugares Altos! Deus põe tudo quanto Ele quiser em nossas mãos, desde que não seja para alimentar o nosso ego. O menino que tinha dado de entrada cinco pães e dois peixinhos, recolhe de volta doze cestos, isto é prosperidade de Deus! Na proporção que Deus supre nossas necessidades, nós O louvamos e Ele faz tudo prosperar. Se o menino tivesse comido os pãezinhos e os peixinhos, Deus não teria tido feito o milagre da multiplicação. Prosperidade, meus queridos, não é “comer” tudo que temos para ver a ação de Deus! Conforme Isaías 55 – “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura.” Precisamos ser diligente com o que temos, para ver o milagre de Deus.

Deus te abençoe e te guarde de todo mal!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 21/09/2008, domingo pela manhã, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

II Cro 20


Texto Base: II Crônicas 20:1,6

Algumas situações da vida nos geram medo – medo das mais diversas coisas e situações. Todos nós temos medo de alguma coisa; para um rei nada é mais temível do que ter seu reinado ameaçado. Esta é a história que lemos: Um encontro que começa com uma má notícia – povos inimigos já tinham invadido o reinado de Jeosafá. O rei foi alertado pelo povo a abrir seus olhos para aquela invasão de três povos inimigos em seu território. Diante dessa situação, de acordo com o verso três, Jeosafá teve medo. O medo é um sentimento comum diante de situações que trazem desconforto e insegurança; e nos faz ficar acovardados para fugir das situações de perigo.

Satanás, o nosso adversário, gosta de nos avisar a cerca de situações de perigo a fim de nos deixar com medo, tendo em mente, evitar que preguemos o Evangelho. Diante do medo temos duas situações: Fugir ou Atacar! O que fazer quando os inimigos põem-se na porta de nossa casa e o medo surge? Sejam nossos inimigos, uma multidão em forma de drogas, álcool, cigarro, dívida ou qualquer situação dramática que tenta nos sufocar.

A primeira coisa que devemos fazer diante do medo é buscar ao Senhor. Se existe uma coisa que o diabo não quer que façamos é buscar a Deus diante do pavor repentino que nos abala. Precisamos buscar refúgio e abrigo na presença do Senhor, conforme lemos nos Salmos 91:1,2 – AQUELE que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.” Normalmente deixamos para buscá-Lo em última instância, mas não é isso que aprendemos com a situação vivenciada pelo rei Jeosafá – Diante das crises, há um Deus assentado no Alto e Sublime trono esperando por nós, pronto para nos ajudar!

A segunda coisa que aprendemos com a lição é que o rei apregoa um jejum, ou seja, ele orava juntava com o povo. Precisamos levar as cargas uns dos outros, ter parceiros de oração que nos ajudem na hora da dificuldade. Como dito em Eclesiastes 4:9 – Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.” Jesus normalmente mandava que Seus discípulos orassem dois-a-dois para que se o inimigo levantasse, não prevalecesse! De acordo com o verso quatro do texto, Judá se consagrou para pedir socorro a Deus.

Precisamos também ter pessoas dispostas a orarem por nossas causas, pedir socorro a Deus. O povo começou a se juntar e Jeosafá, o responsável pela nação, se põe de pé diante do povo e diz para dizer ao povo: “Toda vez que o inimigo quiser te assustar, diga a ele quem é o teu Deus.” – enchendo assim o povo de fé! A terceira lição que aprendemos é que devemos nos lembrar de quem é o nosso Deus, o Deus que tem toda força e poder em Suas mãos. A oração de Jeosafá é uma oração de fé, como lida no verso nove, “Se algum mal nos sobrevier, espada, juízo, peste, ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois teu nome está nesta casa, e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás”, pois ele tinha certeza de que quando a situação aperta; a oração a Deus faz toda a diferença! A oração da fé faz com que tiremos nossos olhos do problema e os transferimos para o Alto, de acordo com o autor de Hebreus em Hebreus 12 – “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.”

E, após o povo orar com fé a Deus, de acordo com o verso quatorze – “Então veio o Espírito do SENHOR, no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe” – o Espírito Santo veio sobre eles; e quando isso acontece, meus queridos – sai da frente! Em Jeremias 29:13 lemos: “E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.” Nada poderá deter o poder da Palavra de Deus nas nossas vidas quando o Espírito Santo entra em cena!

Após tudo isso, a primeira coisa que Deus faz para nós é nos dizer: Não temais! O verdadeiro amor lança fora todo medo, pois sobre nós está a autoridade do nome do Senhor. Não nos assustemos com a grande multidão que possa se levantar contra nós, pois mesmo o inimigo sendo forte; Deus é maior e diante da grandeza de Deus, o inimigo foge!

Tudo que nós temos pertence ao Senhor, a peleja que enfrentamos não é nossa também, mas Dele! Mas, o Senhor pede que tomemos posição diante da batalha, o que exige de nossa parte. Como lemos no verso dezessete – “Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados, e vede a salvação do SENHOR para convosco, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o SENHOR será convosco.”

E tendo feito isso, após a batalha, o povo louvou ao Senhor (Verso vinte e um – “E aconselhou-se com o povo, e ordenou cantores para o SENHOR, que louvassem à Majestade santa, saindo diante dos armados, e dizendo: Louvai ao SENHOR porque a sua benignidade dura para sempre.” ) Dêem graças ao Senhor, pois o Seu amor dura para sempre; não importam às circunstâncias, devemos dar graças a Deus!

E quando o povo começou a louvar, Deus colocou uma emboscada diante dos inimigos (Verso vinte e dois – “E, quando começaram a cantar e a dar louvores, o SENHOR pôs emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os das montanhas de Seir, que vieram contra Judá, e foram desbaratados”) – e não sobraram nenhum deles (verso vinte e quatro – “Nisso chegou Judá à atalaia do deserto; e olharam para a multidão, e eis que eram corpos mortos, que jaziam em terra, e nenhum escapou”)!

As únicas coisas que Deus nos pede são para O buscarmos, oremos a Ele com mais pessoas, lembremos quem Ele é e O louvemos! Então, o vale do medo se transformará em vale de bênçãos. De acordo com o verso vinte e sete, o povo voltou alegre para Jerusalém e, no verso vinte e nove, os inimigos temeram quando souberam que era Deus quem lutava por Israel. O resultado de tudo isso foi que houve paz no reino de Jeosafá, pois Deus tinha dado a ele repouso. Que hoje Deus te dê repouso e muita paz diante de todas as multidões que possam se levantar contra ti!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 16/09/2008, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

sábado, 20 de setembro de 2008

At 7:59


“E apedrejavam Estevam (…)”

Atos 7:59

Texto Base: Atos 7: 54,59

A cada dia que passa, todos nós precisamos aprender a estar preparados para as pedradas da vida. No período de formação da Igreja Primitiva, no Pentecostes, havia um número de cerca de cento e vinte pessoas; e logo após, a este número agregaram-se mais três mil pessoas. Os apóstolos pregavam a palavra incessantemente através de milagres, prodígios e maravilhas, e a igreja crescia.

Em Atos 6, lemos que surgiu o primeiro problema da Igreja: o abandono das causas sociais; e para solucioná-lo foi preciso nomear homens que pudessem estar a frente deste ministério: atender as causas sociais – cuidar das cestas básicas, das viúvas e dos necessitados. Estes homens eram pessoas simples, de boa reputação e que amavam a Palavra de Deus. Estevam era um deles – sofreu grande perseguição, mas venceu a todas porque era grande a ação sobrenatural do Espírito Santo na vida dele. Falsas testemunhas acusavam Estevam com mentiras e enganos, até que um dia ele foi levado ao sinédrio para depor, em Atos 6:15, lemos que Estevam pregava com tanta veemência que o seu rosto parecia como o de um anjo. No capítulo sete lemos a defesa de Estevam no sinédrio, e Estevam declara a desobediência e a dureza do coração de Israel em rejeitar a Cristo, por colocar as tradições religiosas acima do Evangelho. O povo grita enfurecido, pega Estevam e o apedreja.

Muitas vezes, assim como Estevam, somo apedrejados por fazer a coisa certa – não enganar, não mentir e ter uma postura correta que agrada ao coração de Deus. E estas pedradas da vida, nos causam perdas diversas, tais como: sonhos, projetos, expectativas que tínhamos em relação ao nosso trabalho. E muitas dessas pedradas são atiradas por pessoas a quem amamos muito, como familiares e amigos, pessoas que congregam na mesma igreja que nós.

Saul quando estava possesso, chamava Davi para que pudesse tocar a harpa para ele; mas muitas vezes, incontrolavelmente, ameaçava Davi com lanças, e Davi simplesmente desviava-se de cada um delas, sem ameaçar atirá-las de volta.

No texto lido, aprendemos algumas lições sobre as características de Estevam que devemos aplicar em nós cada vez que estivermos recebendo pedradas.

1ª. Lição – Estevam era cheio do Espírito Santo!

A nossa oração todos os dias deve ser para que sejamos cheios do Espírito Santo. Deus não deseja que se sejamos como um copo vazio, mas sim, pessoas em que a presença Dele seja transbordante; para isso, precisamos esvaziar-se de nós mesmos, de nosso ego e tudo o que não agrada ao coração de Deus.

2ª. Lição – Estevam teve uma visão celestial!

De acordo com Atos 7:55, ele fitou os olhos nos céus; o que demonstra que ele tinha uma visão acima da média, não focou os olhos no problema ou na circunstância que estava próxima a acontecer, mas olhou para cima. Que a cada dia, nós possamos ter uma gigantesca visão para discernirmos o que vem contra nós! Estevam, segundo o texto, viu a glória de Deus – o Deus que é soberano e cuida de nós; Ele não deixa que caia um fio de cabelo de nossas cabeças sem que Ele permita, Ele escreveu os nossos nomes na palma de Suas mãos. Devemos trazer à memória aquilo que nós dá esperança: a glória de Deus.E também, viu os céus – tudo que Estevam estava fazendo tinha a aprovação divina e o céu não era um lugar estranho para ele. Assim nós, em meio às circunstâncias difíceis, devemos lembrar que nós temos respaldo para entrarmos em quaisquer lugares e andarmos em santidade porque nós amamos ao Deus que servimos! Por fim, Estevam viu a Jesus, o Filho de Deus, sentado a destra do Pai – o que representa que ele tem toda a autoridade e poder sobre todas as circunstâncias da nossa vida, pois ele é o Todo-Poderoso! Conforme Jeremias 29:11 – “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais”. Estevam também viu Jesus em pé – o que representa que Ele está sempre agindo em favor daqueles que O temem, como está escrito: “Agindo Eu, quem impedirá?”.

3ª. Lição – Estevam ORA!

Note bem que Estevam não ficou olhando para as pedras, mas orou. Não devemos ficar olhando para as pedras que as pessoas tentam atirar em nós, mas orarmos; pois a nossa oração, no nome de Jesus, tem muito poder! Poder para curar, libertar e salvar a quem quer que seja. A oração de Estevam impulsionou ele a outras duas coisas: Ele entrega a vida dele nas mãos do Senhor – não devemos perder nossa alegria, se estão atirando pedras contra nós; cantemos louvores a Deus e entreguemos nosso ser a Ele em louvores, pois o louvor a Deus nos liberta! Estevam também foi abençoador – assim como está escrito: “preparas uma mesa perante mim, na presença dos meus inimigos”. Abençoe quem atira pedras contra ti, peça para que o Pai os perdoe, demonstrando um amor incondicional para com eles. Se perdoarmos quem nos trata mal, a justiça divina estará sendo liberada a fim de que eles possam ser tratados e restaurados!

Pela ótica humana, Estevam pode ter perdido (foi apedrejado e morreu), mas pela ótica divina não. Deus tem sempre algo mais, pois Ele vê o nosso futuro! Enquanto Saulo consentia sobre a morte de Estevam, mais para frente, Deus o faz cair do cavalo e cegar para que ele pudesse ver a mesma glória vista por Estevam no momento do apedrejamento; logo após cair do cavalo, tornou-se um dos maiores apóstolos que a humanidade já ouviu falar. Precisamos também esperar pelo algo mais de Deus, Ele sempre tem o melhor para cada um de nós! Deus abençoe a todos e os livrem de todo mal.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 15/09/2008, segunda-feira, na Igreja do Nazareno Central, pelo Pr. Jocymar Fonseca, anotado por Lucas Tognolo)

(Jocymar B. Fonseca é formado pelo Seminário Nazareno em 1994 e faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 1995 na qual atua como pastor responsável pelo ministério de louvor e adoração e é líder do ministério Celebrai.)

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Precisamos Orar!


Texto Base: Atos 12:1,10

Nos últimos dias o departamento de Missões Mundiais da Igreja tem recebido notícias terríveis que a igreja evangélica tem enfrentado em outros países, principalmente na Índia, onde pastores têm sido queimados e mortos por proclamarem o Evangelho do Senhor Jesus. Essa é a dura realidade enfrentada pela igreja ao redor do mundo. Temos visto também uma perseguição não só fora do país, mas dentro dele também, através de algumas leis que tramitam no Congresso Nacional. O Senhor Jesus já nos disse que estes seriam alguns dos sinais de que está muito próxima a volta Dele. Em Apocalipse 12, lemos que pouco tempo resta para que o diabo seja preso e nós possamos contemplar o Senhor Jesus voltando nas nuvens com poder e glória; temos um alto preço a pagar por levantar o estandarte da fé e proclamar o Evangelho da Salvação.

Em Atos 4, Pedro já havia sido preso por causa da cura de um coxo e por anunciar o nome do Senhor Jesus, e quando solto, anuncia que o impulso da igreja deve ser este: Anunciar tudo aquilo que temos visto e ouvido. Ao vermos tudo que Deus tem feito e fará por nós, não poderemos nos conter em contar as boas novas a todos os povos, raça, tribos e nações.

Ao longo de toda a história da humanidade vemos que Satanás tem levantado homens para conter o avanço da Igreja e, segundo Atos 12:1, tem o único objetivo - maltratar àqueles que anunciam a Cristo. O nosso adversário usa religiões, pessoas, governantes e todos os meios necessários para maltratar o povo de Deus. Em Atos 12:2, Tiago é morto a fio da espada, decapitado para alegria de alguns. Em seguida, Pedro é levado ao cárcere a fim de que muitos pudessem se alegrar.

Neste momento, vemos como Deus interfere em favor do Seu povo. Ele entra com provisão e livramento quando o povo Dele é sufocado e oprimido. A primeira coisa que precisamos entender é que Deus sempre ouve o clamor do povo em meio ao sofrimento deste. Deus recolhe nossas lágrimas – Todas, Ele as vê e prepara um tempo oportuno para que as transforme em alegria. O avivamento do Senhor sempre foi precedido pelo martírio e sofrimento do povo.

Herodes ao mandar prender Pedro, monta todo um sistema de escolta armada ao redor deste a fim de que pudesse detê-lo e ter a certeza de que o Evangelho não mais seria anunciado. Pedro, apóstolo que em uma tarde anuncia a Cristo para uma multidão e três mil se arrependem de seus pecados, estava sendo levado para a prisão. Toda vez que o inimigo das nossas almas tentar nos prender, devemos nos alegrar, pois é um sinal de que estamos incomodando o príncipe das trevas por anunciar o ano aceitável do Senhor!

Em meio a tudo isso – morte de Tiago, prisão de Pedro e tantas perseguições enfrentadas pela igreja – o povo dobrava seus joelhos e orava, pois sabiam que maior era aquele que estava com eles do que aquele que estava no mundo. Quando começamos a orar, nada e nem ninguém poderá impedir a ação de Deus em nós. Davi mesmo nos escreve “Muitos são os meus adversários, mas Tu Senhor é o meu Escudo.” O povo de Deus orava incessantemente em favor de Pedro – nunca precisamos orar tanto como nos dias de hoje para que a bandeira do Evangelho seja erguida, pessoas sejam impactadas e o nome de Deus seja engrandecido! A nossa oração muda a direção de Satanás para destruir, condenar e matar, pois ela move montanhas; ela move o sobrenatural de Deus quando O buscamos, como está escrito: “Se o meu povo que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, eu ouvirei dos céus (...)”. O anjo do Senhor foi enviado dos céus, mas foi pela oração que ocorreu o sobrenatural.

A primeira coisa que Deus nos faz quando O buscamos é trazer luz em meio a nossa situação de trevas. Pedro mesmo nos escreve em I Pedro 5:7 – “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”. Pedro, quando ainda na prisão, estava tão tranqüilo, como o salmista descreve – nos Salmos 3:5“Eu me deitei e dormi; acordei, porque o SENHOR me sustentou” – que quando o anjo do Senhor foi visitá-lo na prisão, ele tem que acordá-lo dizendo: “Levanta-te depressa”. Então, as cadeias caem e Pedro está livre. Enquanto dormimos (Em paz nos deitamos), Deus nos envia um anjo para nos despertar e as cadeias que nos prendem são então, soltas. Quando Deus entra com o livramento, Ele o faz de maneira a envergonhar o inferno.

É importante observar que o anjo acompanhou Pedro até certo ponto apenas, quando Pedro saiu da situação de perigo e opressão, o anjo o deixou. Pedro, olhando para os lados, se viu sozinho. Deus nos ajuda quando não podemos agir, e depois, Ele nos deixa por conta própria para pensarmos e agirmos. Note bem em Atos 12:12, que Pedro decidiu ir a casa de Maria, mãe de João, onde muitos estavam orando. O primeiro lugar que devemos ir após Deus nos dar o livramento é no meio do povo Dele para agradecê-Lo – o livramento só aconteceu porque dos céus Deus ouviu um povo orando! Em Atos 12:15, quando Pedro chega na casa de Maria, o povo duvidou que quem batia na porta era realmente ele, tanto era o alvoroço em ver o livramento de Deus, mas Pedro pediu que o povo silenciasse e contou a eles tudo o que lhe tinha acontecido.

No final da história, Herodes achava que ainda estava no controle de tudo, porém, Deus havia invertido o papel das coisas e Herodes tinha caído, pois desagradou o coração de Deus. Entretanto, a Palavra crescia e se multiplicava, como lemos em Atos 12:24. Precisamos nos lembrar, mesmo em meio as perseguições que o inimigo possa nos fazer, de clamar a Deus, O buscar incessantemente e crer que Ele nos ouvirá e dará o livramento, a fim de que a Sua palavra cresça e Evangelho seja pregado. Deus abençoe a todos.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 14/09/2008, domingo-noite, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Flávio Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

Dt 28


Texto Base: Deuteronômio 28: 1,7

Muitas vezes, ao longo da vida, nós passamos por situações de densa selva; situações onde não sabemos para onde ir e não sabemos o que fazer, e somos induzidos a olhar apenas para o chão com medo de olhar adiante. Os nossos problemas fazem com que nós foquemos nossos olhos apenas para eles ( o chão), e quanto mais focamos os olhos no chão, mais perdidos ficamos!

Em Deuteronômio 28:7 lemos: “O SENHOR entregará, feridos diante de ti, os teus inimigos, que se levantarem contra ti; por um caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão da tua presença”. Precisamos mudar o nosso foco, a nossa visão. Deus hoje, nos diz para mudarmos nosso foco para algumas direções da vida:

1º - Olhar para frente – Deus é o nosso juiz! Quando os problemas vêm a nossa tendência é tentar nos defender e mostrar que somos inocentes, mas se olharmos para frente; veremos que temos um juiz – Deus – que é capaz de olhar para o geral e não o específico; Ele sabe de todas as nossas necessidades, conforme lemos em I Samuel 24:15 – O SENHOR, porém, será juiz, e julgará entre mim e ti, e verá, e advogará a minha causa, e me defenderá da tua mão”. Em Jó 9: 15 lemos: “Porque, ainda que eu fosse justo, não lhe responderia; antes ao meu Juiz pediria misericórdia”. Precisamos tirar os nossos olhos do chão, porque Deus é o nosso juiz!

2º - Olhar para a direita – Jesus é o nosso advogado! Jesus sabe nos defender e supre a cada uma de nossas necessidades, conforme está escrito em I João 2:1 – MEUS filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo”.

3º - Olhar para trás – O anjo do Senhor é nosso guarda-costas! Quantas vezes nos sentimos sozinhos e traídos por amigos, ou buscamos “costas-quentes” para nos ajudar? Meus amigos, nós precisamos nos lembrar que o anjo do Senhor está acampado ao redor de todos que O temem e os livra – é promessa de Deus para nós - dá-nos cobertura e livramento! Como escrito em I Pedro 5:8 – Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” ; o inimigo está procurando nos destruir, mas é o anjo do senhor que nos livra de todas as ciladas do diabo!

4º - Olhar para a esquerda – O Espírito Santo é nosso apoiador! Ele está conosco em todos os momentos da nossa vida e em quaisquer lugares, jamais nos abandona. Lemos em João 14:26 – Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito”. Consolador é aquele que está ao lado de alguém, consolando e confortando. Coisa linda! O Espírito é nosso Apoiador.

5º - Olhar para cima – Seus irmãos torcem por você! Algumas vezes pensamos em desistir, mas não podemos entregar o jogo! Têm muitos que torcem e oram por nós. Se Deus colocou toda e qualquer situação em nossas mãos, não podemos desistir dela jamais; pois, se olharmos para cima, Deus nos diz: “Fique firme, vá adiante!”. Precisamos, assim como o autor de Hebreus, prosseguir para a carreira que nos está proposta. (Hebreus 12:1 - PORTANTO nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta”)

6º - Olhar para as nossas mãos – a Bíblia está em nossas mãos! Muitas vezes somos levados a pegar pedras nas mãos para atirar em nossos inimigos, porém, devemos sempre nos lembrar que temos a Palavra de Deus nelas e não pedras. Quando atiramos pedras, corremos o risco de machucar pessoas a quem amamos. Lembremos das palavras contidas em Salmos 24:3,6 – Quem subirá ao monte do SENHOR, ou quem estará no seu lugar santo? Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente. Este receberá a bênção do SENHOR e a justiça do Deus da sua salvação. Esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacó” e meditar no que está escrito na Palavra, pois ela nos dará a vitória!

7º - Olhar para dentro de nós – Somos servos do Deus Altíssimo! Confie no Senhor e tenha auto-estima (não sendo orgulhosos de si mesmos, mas crendo no que Deus poderá fazer na sua vida). Você é amado por Deus! Deus não nos conhece por números, mas pelo nome; Ele está conosco e nos fortalece.

Precisamos tirar os olhos dos nossos problemas, os quais nos deixam encurvados; mas olharmos para frente, onde vemos nosso juiz (Deus); olharmos para trás, onde vemos o anjo do Senhor; olharmos para a direita, onde vemos nosso advogado (Jesus); olharmos para esquerda, onde vemos nosso apoiador (Espírito Santo); olharmos para cima, onde vemos nossos irmãos que torcem por nós; olharmos para nossas mãos, onde vemos a Palavra de Deus e olharmos para dentro de nós, onde vemos alguém que é servo do Deus Altíssimo. Isto tudo, faz toda diferença na hora em que os problemas vieram. Deus te abençoe.

(Montagem feita a partir do sermão ministrado dia 31/08/2008, domingo de noite, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Manuel Lima, anotado por Lucas Tognolo)

(Manuel Lima é pastor da Igreja do Nazareno de Manaus,AM)

terça-feira, 2 de setembro de 2008

João 20


Texto Base: João 20: 19,21

No contexto da passagem de João, havia um momento de incertezas e insegurança por parte dos discípulos de Jesus, pois estes tinham acabado de ver Jesus sendo pendurado no madeiro no alto do calvário. Logo após os soldados romanos terem ido ao túmulo de Cristo e ver que Ele não mais se encontrava lá, correram para anunciar isso as autoridades romanas, que por sua vez, aprovaram um decreto de que tinha sido os discípulos de Jesus que tinham roubado o corpo – e a notícia se espalhava por toda a região, deixando os doze discípulos atemorizados.

Em meio a tudo isso, dentro deste quarto fechado em que se encontravam, muitos sentimentos estavam presentes por parte dos seguidores de Jesus: sentimento de frustração, pois alguns não entenderam direito que Jesus viria, morreria e após isto, ressuscitaria dentre os mortos; sentimento de aceitação, porque alguns tinham deixado tudo que tinham (amigos, família, emprego) para seguir o Mestre, e agora, Ele se encontrava morto; sentimento de surpresa, porque alguns deles já tinham visto Jesus após a ressurreição; muitos outros sentimentos como desgosto, raiva, ira estavam presentes naquele quarto fechado – situações que eu e você enfrentamos também.

Talvez você tenha ouvido uma mensagem e se apegado tanto a ela que hoje, você se encontra dentro de um “quarto fechado” remoendo suas emoções, como que dizendo a si mesmo: “Por que tinha que ser assim? Por que dessa forma?”

Quantas vezes saímos de casa com sorrisos nos rostos, mas dentro de nós estamos “trancados” pelo medo, insegurança e incertezas deste mundo? O medo nos faz encolher; faz com que o mais valente baixe suas defesas. Mas, o texto nos diz, simplesmente, que no meio de toda essa situação Jesus aparece, como descrito em João 20:19 - Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco. Jesus sempre vem em meio às situações confusas e incertas da nossa vida. De repente, Ele vem e enche o lugar onde estamos com a Sua maravilhosa presença! Que bom é saber que Cristo vem aos lugares onde não gostaríamos que ninguém mais nos encontrasse – Ele vem e traz-nos paz!

Jesus vem e não apenas traz paz, mas também sopra nos “quartos fechados” em que nos encontramos, como lemos em João 20:22 - E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Mas que sopro é esse que Jesus sopra? Ele sopra em tudo que está confuso e incerto. Sopra sobre nós o sopro do Espírito que dá-nos força para sairmos de um “quarto escuro”, marcado pelo medo, por um coração inquieto e dúvidas. Quando Cristo sopra sobra nós, Ele faz com que o Verdadeiro Amor lance fora todo medo, como que dizendo a cada um de nós: Vá e faça aquilo que te mandei, porque ainda não acabou!

Jesus termina esta palavra dizendo: Vocês vão! Ele nos enviaria o Consolador que sopra sobre nós e nos dá um novo ânimo para continuar. Ainda não acabou, Aquele que começou a boa obra vai continuar até o fim! Deus abençoe a todos.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 31/08/2008, domingo pela manhã, na Igreja do Nazareno Central de Campinas pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo.)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)