quinta-feira, 10 de julho de 2008

Corajem para Confiar!


Qual o significado último da palavra ansiedade? Significa estrangulamento. Na prática, a ansiedade nos rouba o oxigênio emocional, corta o nosso fôlego e, pouco a pouco, nos mata por asfixia. A ansiedade enfraquece nossas forças vitais, embaça os nossos olhos e nos priva de uma esperança real, pois lentamente nos tira a perspectiva do futuro.

A ansiedade é um mal generalizado. Ela não faz seleção de alvos humanos. Pobres e ricos, letrados e analfabetos, homens e mulheres, adultos e jovens -, e até crianças. As tensões da vida moderna a tornaram uma espécie de mal necessário. Infelizmente, ela está vencendo e derrotando muitas vidas, sugando a energia vital. Ela é traiçoeira.

As pressões da vida moderna funcionam como um combustível que alimenta nossa ansiedade no dia-a-dia. Somos jogados como ávidos competidores num mercado cada vez mais seletivo e desumano. Além disso, o isolamento crescente das pessoas, a insegurança quanto ao futuro e as incertezas cotidianas, a falta de uma experiência espiritual profunda com Deus, em termos de uma fé consistente e madura, as crises que afetam a família contemporânea e o crescente desmoronamento dos lares, estão presentes nos mecanismos que aumentam a ansiedade e prolongam seus efeitos danosos sobre nós.

Jesus Cristo, o Senhor da vida, nos adverte para o fato de que nós não podemos administrar o nosso futuro. Ele não nos pertence. “Não andeis ansiosos quanto ao dia de amanhã”, foi o seu ensino. Não devemos sofrer por algo que nem sabemos se vai acontecer ou não. Na prática, a ansiedade é inútil, pois além de não nos fazer contribuir na solução dos problemas futuros, ela nos prejudica desde agora, enfraquecendo nossa esperança.

Por isso, Ele nos convida a uma reflexão anti-ansiedade, não a partir dos homens, mas através da criação. Os homens estão doentes, a natureza não. Os lírios nos campos se vestem com glamour e no entanto, não se estressam. Nem em Paris, nem em Londres, nem em New York, São Paulo ou Milão, se vê tanta beleza e elegância.

Deus é o grande estilista da natureza. A criação é o testemunho da fidelidade de Deus. O mesmo Deus que está na sala de controle do universo e de toda a sua criação, também é o que cuida da nossa vida.

Numa perspectiva espiritual, a ansiedade é uma expressão de incredulidade. É a negação da nossa confiança na providência divina. Na verdade, só ficamos ansiosos porque duvidamos de que Deus está no controle de tudo que envolve nossa vã existência. Na prática, acreditamos que Ele não está cuidando de nós. Achamos que Deus pode falhar.

Confiança é uma questão de coragem. Por sua vez, é a coragem que nos faz vencer o medo, que alimenta nossa ansiedade. É preciso confiar em Deus, como na experiência do salmista: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle e o mais Ele fará”. Confiar, esperar e descansar em Deus, este é o caminho para quem quer vencer a ansiedade.


(Texto extraído do portal http://www.pibjp.com.br, edição de 29/04/2008, escrito pelo Pr.Estevam Fernandes)

(Estevam Fernandes de Oliveira é Pastor da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, PB, psicológo clínico e terapeuta familiar, conferecista nas áreas de família e liderança, mestre e doutorando em ciências socias)