terça-feira, 15 de julho de 2008

Filho Pródigo


Texto Base: Lucas 15: 11-24

A vida é cheia de encontros que podem ser divididos em dois grupos: por agendamento ou acidentalmente. Estes encontros podem gerar dois tipos de resultados: positivos ou negativos. E todos eles, são gravados em nossa memória. As decisões que tomamos nos marcarão para sempre, quer elas sejam boas ou não.

A Bíblia nos relata a história de um rapaz denominado apenas por Filho Pródigo, que certa vez, resolveu tomar uma decisão consigo mesmo – pegar a sua parte da herança e sair de casa – e ao fazer isto, diz o texto lido, que ele gastou tudo o que tinha da forma mais diferenciada possível.

Há algumas chaves na vida deste moço que nos levam a observar que ele não foi muito sábio em suas decisões. Este garoto, alguém como você e eu, capaz de tomar decisões todos os dias, gastou tudo e começou a passar necessidades, conforme vemos no verso quatorzeE, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.”

Longe de tudo, em uma terra distante, este moço pára dentro de um chiqueiro. E então, no ponto mais baixo de sua vida, passa a refletir no que ele tinha antes – pensa na possibilidade de retorno à sua casa, mesmo que sendo em um estado mais simples frente ao seu pai.

Os melhores encontros não são aqueles que combinamos ou pré-agendamos, mas são aqueles que ocorrem sem esperarmos. Quando o jovem volta para a casa dele, ele não avisou previamente a seu pai, simplesmente volta; e quando volta, alguém estava o esperando em frente da porta, a beira da estrada - era o pai daquele moço que ao avistar o filho corre ao encontro daquele a quem amava, conforme lemos no verso vinte - E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.

Mesmo sendo aquele jovem o filho que o tinha abandonado, tomado decisões erradas, ele era o filho e o pai havia sido tomado de grande compaixão. Hoje, o mesmo acontece contigo e comigo também, ao decidirmos voltar aos braços do nosso Pai, Ele se move de compaixão e vem ao nosso encontro.

Será você um filho(a) pródigo(a)? Alguém que colocou o seu coração em outras coisas que não sejam as de Deus? Um coração pródigo é aquele que se desvia do que Deus determina para tua vida! Será você como o filho pródigo?

Não é fácil tomar decisões e é difícil ter uma vida disciplinada em Cristo todos os dias! Os convites no mundo afora são muitos – Precisa-se viver uma vida contínua de Oração!

Será que em alguma área da tua vida, meu amado, você passou pela sensação de estar fazendo as coisas “aparentemente certas”, mas no final se viu em um “chiqueiro”? Seja nos teus relacionamentos, nos teus estudos ou em qualquer outra área -Vale a pena continuar assim? Quando estamos nesta condição (de filho pródigo, vivendo em “chiqueiros”) somos levados a pensar em como era tudo antes, pois em nossas mentes temos registrado tudo o que passamos (antes e após “sairmos de casa”).

Mas que bom é saber que mesmo devido aos nossos pecados, nossas escolhas erradas, o tempo fora de casa, os argumentos criados por um ou por outro e pela defesa da impunidade (há pessoas que acham que tudo deve ser punido), Deus, nosso Pai, nos olha com compaixão em meio ao nosso estado de miséria e nada nos impede que Ele nos vista, assim como o pai fez com o filho pródigo ao encontrá-lo.

Ao encontrar novamente o filho, o pai lhe entrega uma capa, um anel e o calça com sandálias. A capa cobriria a sujeira do filho, o pecado, as marcas do passado. O anel no dedo representava a restauração do estado de pobreza em estado de riqueza, o pai estava restaurando o estado de autoridade no filho; tudo o que era dele era do filho também. As sandálias representavam um novo caminho que o filho iria trilhar a partir do re-encontro com o pai.

Do ponto de vista humanístico, legalístico ou mesmo racional; o filho não merecia nada do que recebeu pelo pai, mas ele era filho. Note bem no verso vinte e quatroPorque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se. O pai todos os dias “abria o portão” esperando o retorno do filho e assim Deus faz com a tua vida também.

Do jeito em que você e eu nos encontramos, Deus nos ama e nada do que fizemos atrás impedirá que Ele venha nos dar um tratamento diferenciado ao voltarmos para Ele – Ele te espera diariamente, meu amado, e ao te ver; uma capa, um anel e sandálias serão colocados em você também.

Será que não é hora de se lembrar como era a tua vida antes? Como era tudo quando você vivia no primeiro amor? Aonde é que você errou, não importa. Deus hoje quer restaurar a autoridade dEle sobre tua vida. Ao invés de ficar nos “chiqueiros” da vida, Deus hoje te diz: “VOLTA!” Ele quer te restaurar ao estado de autoridade, te limpar de toda sujeira. Volta para Deus, amado! Deus te abençoe!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 14/07/2008, segunda-feira, pelo Pr. Alex Fonseca, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(Alex B Fonseca formou-se pelo Seminário Teológico Nazareno - 1994, estudou em Point Loma Nazarene University - 96-99, especializando-se nas seguintes áreas: Língua Inglesa, Ministério com Adolescentes e Jovens, e Mestrado em Ministérios; atuou na Igreja do Nazareno de San Jacinto - CA – USA, como pastor voluntário junto ao Ministério de Juniores e Louvor; e como missionário responsável no Louvor, Evangelismo, Jovens e Missões, na Igreja do Nazareno em Tehachapi - CA – USA, 1998-2001, faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 2001)