segunda-feira, 30 de junho de 2008

Parada Obrigatória!!


Nem sempre nos damos conta do ritmo da vida. Ele, muitas vezes, é irracional e quase enlouquecedor.

Ocorre que a vida tem o ritmo que nós impomos. Tanto o acelerador quanto os freios devem estar sob o nosso controle. Há ocasiões em que é preciso diminuir a velocidade e parar um pouco “Devagar se vai ao longe”, é o que diz o dito popular. Saber parar não significa estagnar os movimentos da vida; antes, pelo contrário, pode significar imprimir a estes movimentos à saúde necessária para o bem estar geral da nossa existência.

Por que é preciso parar de vez em quando?

Primeiro: Para que possamos ouvir a voz do coração. Todo ser humano tem uma intuição própria. Uma voz interior. É o que nós chamamos de “a voz do coração”. Geralmente essa voz interior está falando algo e não conseguimos ouvir porque nunca paramos. Ser sensível a essa voz é evitar graves danos à nossa felicidade. Às vezes, ela é o limite entre a dor e a alegria.

Segundo: Para que possamos refletir sobre o sentido de tudo que estamos fazendo. Ninguém deve banalizar sua existência. Qual o sentido da nossa vida? Por que corremos tanto? Aonde esperamos chegar? Sem reflexão constante a vida transforma-se em um ativismo vazio, sem conteúdo e sem propósitos. Parar para pensar não faz mal a ninguém; promove, isto sim, mudanças e crescimento.

Terceiro: Por uma questão estratégica. Na pressa neurótica em que nos envolvemos é difícil perceber os riscos que estamos correndo, bem como os caminhos que devemos percorrer. Parar, nestas condições, pode significar a diferença entre o sucesso e o fracasso; entre a sabedoria e a precipitação; entre a realização e a frustração. Todos os nossos gestos devem possuir um sentido espiritual, porque o que está em jogo é o nosso bem mais precioso, nossa própria vida.

Quarto: Para que possamos ouvir a voz de Deus. Deus não tem pressa. Ele nos fala no barulho doentio do cotidiano, mas na quietude do coração. Quanto mais a nossa alma silencia, mas podemos ouvir a voz de Deus. A voz do Altíssimo é como uma bússola que norteia nossos passos em meio aos muitos sonhos que circundam e confundem nossas decisões. Quem aprende a ouvir a Deus, não erra jamais.

Muitas pessoas só conseguem parar por ocasião de grandes crises, tragédias, ou por conta de uma enfermidade. E aí, por força de uma adversidade, resolvem ouvir o coração e refletir sobre o sentido de suas vidas. Infelizmente, para muitos, quando isso acontece já é tarde demais.

Se, por um lado, a essência da vida é o movimento, por outro, ela também nos impõem paradas obrigatórias. Quem for sábio, diz não à pressa irracional. Saber parar é, portanto, saber viver.

A vida é uma dádiva de Deus. Nossa verdadeira riqueza. Às vezes, Deus nos faz parar para nos lembrar que estamos desperdiçando esse tesouro. Parar para refletir é redescobrir o valor da nossa própria existência, preciosa aos olhos de Deus.

(Texto extraído do portal http://www.pibjp.com.br,escrito pelo Pr. Estevam Fernandes de Oliveira, edição de 07/04/2008 )
(Estevam Fernandes de Oliveira, Pastor da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, PB, é Psicólogo Clínico e Terapeuta Familiar, conferencista nas áreas de Família e Liderança; mestre e doutorando em Ciências Sociais)

sábado, 28 de junho de 2008

Apocalipse


O livro do Apocalipse de São João (para católicos e ortodoxos) ou Apocalipse de João (para protestantes) ou (Revelação a João) é um livro da Bíblia — o livro sagrado do cristianismo — e o último da seleção do Cânon bíblico.

A palavra apocalipse (termo primeiramente usado por F. Lücke (1832) significa, em grego, "Revelação". Um "apocalipse", na terminologia do judaísmo e do cristianismo, é a revelação divina de coisas que até então permaneciam secretas a um profeta escolhido por Deus. Por extensão, passou-se a designar de "apocalipse" aos relatos escritos dessas revelações.

Para os cristãos, o livro possuiria a pré-visão dos últimos acontecimentos antes, durante e após o retorno do Messias cristão. Alguns protestantes e católicos mencionam que os acontecimentos previstos no livro já teriam começado.

Devido ao fato de, em língua portuguesa, se usar o título Apocalipse, e não Revelação, até o significado da palavra ficou obscuro e é às vezes usado como sinônimo de "fim do mundo".

A literatura apocalíptica tem uma importância considerável na história da tradição judaico-cristã-islâmica, ao veicular crenças como a ressurreição dos mortos, o dia do Juízo Final, o céu, o inferno e outras que são aí referidas de forma mais ou menos explícita.

Algumas pessoas defendem que o fato de várias civilizações no mundo terem apresentado narrações apocalípticas sugere que estas têm uma origem comum e ancestral (supostamente revelada ao homem por um ser dotado de inteligência superior, entre outras teorias) que foi sendo deturpada pela transmissão oral. Esta visão assume, por vezes, um caráter ecológico, ao propor que a mensagem do apocalipse se refere à capacidade que o homem civilizado tem para destruir o mundo.

A maior parte do livro é escrita em linguagem simbólica, e, por isso, dá margem a diversas interpretações pelos diversos segmentos cristãos.

Entre outros fatos que teriam sido profetizados na obra, segundo a teologia comum das igrejas protestantes, estão os sete anos da grande tribulação, onde após o arrebatamento da igreja, a Terra passaria por três anos e meio de paz (com o reinado do Anti-Cristo - que perseguiria os cristãos que não tivessem a marca da besta, a qual possibilitaria livre comércio entre as pessoas. Tal marca, diz o profeta, seria posta na testa ou na mão das pessoas e haveria três anos e meio de grande aflição. Após esse período, ocorreria o início do Milênio (onde a igreja reinaria com Cristo na Terra). Terminado o Milênio, daria-se início o Juízo final, onde o Messias reinaria definitivamente, lançando Satanás e seus anjos (demônios) no lago de fogo.

Neste livro o autor discorre sobre as conseqüências do acatamento ou não dos apelos do novo testamento ("voltem-se a Deus", "arrependam-se de seus pecados") dividindo então os santos (aqueles que se converteram a Deus) e os que se negaram a viver com ele.

Há também os que dão interpretações diferentes para os textos escritos, dizendo que se referem às perseguições que os cristãos sofreram dos romanos e sofreriam ao longo da história.

Existem basicamente dois estudos da interpretação do livro apocalíptico:

Linguagem simbólica:

No entendimento simbólico dizem basicamente que se referem às perseguições que os cristãos sofreram dos romanos e sofreriam ao longo da história. Segundo este entendimento, João utilizava-se de simbologia para detalhar o sofrimento que estavam passando, e utilizava-se desse meio para falar com outros cristãos e dificultar assim o entendimento por parte de seus opressores.

Linguagem profética:

Na profética, segundo uma teologia comum das igrejas protestantes, João teria recebido visões através de Jesus Cristo por meio de um anjo, que mostrou-lhe o que aconteceria durante o período "fim do mundo", dentre estes acontecimentos está o mais famoso que é o Juízo Final, que seria o resultado (eterno) do acatamento ou não dos apelos do novo testamento que são:

  1. Voltar-se a Deus.
  2. Arrependimento dos pecados.
  3. Aceitação de Jesus Cristo como Messias.
  4. Batismo nas águas.

Dividindo então a humanidade entre os santos (aqueles que aceitaram) e os pecadores que se negaram a ouvir os apelos e mudar de atitude.

Segundo a visão profética, o "Juízo Final" trará o céu eterno para os santos e o inferno eterno para os pecadores.

O Convite está feito: "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo." A decisão é tua. Que o amor de Deus seja contigo hoje e sempre!!!

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Em Israel irromperá um avivamento


Romanos 11:25 diz de maneira bem clara: "Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos em vós mesmos): que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios (na Igreja de Jesus)." Quando a plenitude dos gentios (das nações) tiver entrado no "corpo de Cristo", ele será levado para o céu. Aí terminará o endurecimento de Israel, sua cegueira acabará.

Então muitos judeus chegarão ao saber de Daniel 12:4, entendendo que o Senhor Jesus é o seu Messias. É muito provável que nos dias após o arrebatamento milhares e milhares de judeus se converterão a Jesus, à semelhança do que aconteceu no começo da Igreja no livro de Atos. Então brotará e nascerá a semente do Evangelho espalhada oralmente e de forma impressa pelos judeus messiânicos, que nesse tempo também terão sido arrebatados. Os que ficarem para trás, familiares, amigos, colegas, etc., procurarão Bíblias, livros e outras publicações cristãs deixadas pelos arrebatados. Eles se lembrarão daquilo que leram e ouviram, de comentários bíblicos e pregações sobre a esperança pelo Messias. Essa esperança já germina atualmente no coração de muitos judeus.

Depois do arrebatamento aparecerão também os 144.000 selados de Israel (Ap 7:4-8) e as duas testemunhas (Ap 11:3). Cada vez mais judeus se converterão e levarão o Evangelho ao seu próprio povo e aos gentios. Nisto os judeus terão uma grande vantagem, pelo fato de terem sido espalhados por todo o mundo e dominarem muitas línguas diferentes.

Mas, para sermos exatos, devemos dizer também que nem todos os judeus se converterão. Muitos, especialmente os ligados ao governo, farão a aliança com o anticristo, isto é, com o líder romano [europeu] (Dn 9:26-27; Ap 13:1; Is 28:14-16). Quando fala desse tempo, também Daniel diz que muitos serão purificados (converter-se-ão), mas muitos permanecerão ímpios; que muitos entenderão, mas muitos outros não entenderão (Dn 12:10). Apenas um remanescente será salvo, como se vê claramente em outras passagens das Escrituras (por exemplo, em Rm 9:27; Ez 20:33-38). Mas atrás de todo esse remanescente crente se colocará o arcanjo Miguel como príncipe de Israel. No arrebatamento ele levantará a sua voz, porque terá chegado sua hora para agir em favor do remanescente de Israel.

Como vimos, em nossos dias muitos israelitas estão crendo no seu Messias, em Jesus Cristo. Será que o Senhor está preparando o Seu povo para o arrebatamento e a Grande Tribulação? Será que Ele o faz porque a hora já está muito adiantada?

terça-feira, 24 de junho de 2008

Para Além da Dor!


Todos nós, algum dia, já nos deparamos com situações diante das quais nos sentimos absolutamente impotentes. Nada poderíamos fazer; nenhuma palavra precisaria ser dita; nenhum gesto nosso faria qualquer diferença. Todas as nossas “pretensas” experiências não nos seriam suficientes diante de algo que foge ao nosso controle. Nessas horas só nos resta uma constatação, uma certeza: Só Deus !

Existe um tipo de dor que somente Deus ameniza. Ele é o único bálsamo capaz de trazer alívio para a nossa mais profunda dor. Deus conhece a nossa alma; sabe dos nossos limites. Só Ele pode invadir os segredos do nosso ser. Ele nos conhece tal como somos.

Há momentos tão difíceis que se Deus não nos tomar pela mão, ficaremos prostrados; igualmente, se Ele não tocar nosso coração, ninguém conseguirá nos consolar. Se a força dEle não nos erguer do caos, ficaremos cambaleando, tal qual bêbados com passos trôpegos pelos corredores da vida. Deus é a esperança que nos mantém vivos, e a Sua força é a razão de seguirmos vivendo, apesar das tempestades.

Depender de Deus não é sinal de fraqueza, antes, pelo contrário, é testemunho de fortaleza interior. Feliz a pessoa que pode dizer, a qualquer tempo: “Agora, só Deus”. O homem só é grande quando se reconhece carente de Deus. “O meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”, é o que nos diz as Escrituras. Crescemos quando estamos em seus braços.

Todos temos nossos limites. Ninguém se basta. Reconhecer seus limites é sinal de grandeza e de humanidade. Diante das impossibilidades humanas, clamar por Deus é semear vitória, é construir pontes por entre as nuvens nebulosas do sofrimento.

Algumas experiências da vida não podem ser vivenciadas sem a ajuda de Deus. A dor do luto, a solidão de um amor findo, o medo do amanhã, a sensação do abandono, o fim de um sonho, e tantas outras experiências dolorosas que a vida nos reserva. Para encará-las e vencê-las, só Deus.

Muitas pessoas quando olham para trás, vendo os desafios que enfrentaram e as lutas que venceram, e percebendo os muitos livramentos que tivemos ao longo da vida, têm a certeza que foi Deus que lhes deu proteção, forças para lutar e coragem para não desistir. Tais pessoas colocam a mão no peito e dizem com voz de triunfo e gratidão: Foi Deus!

Sendo assim, e certamente o é, diante de tudo que passamos e ainda haveremos de passar (pois a vida é cheia de surpresas), só nos resta uma certeza, diante de tantas incertezas e das contingências ao nosso redor: Só Deus, para nos garantir proteção, manter viva a chama da fé e a vontade de viver, com doçura e esperança, com alegria e paixão.

Quando tudo parecer estar perdido, humanamente sem solução, não há por que entrar em desespero, tenhamos uma certeza: Só Deus! Lembremo-nos da promessa bíblica: “Se Deus é por nós, quem será contra nós”. Quem nEle espera, é vencedor

(Texto extraído do portal http://www.pibjp.com.br,escrito pelo Pr. Estevam Fernandes de Oliveira, edição de 16/06/2008 )
(Estevam Fernandes de Oliveira, Pastor da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, PB, é Psicólogo Clínico e Terapeuta Familiar, conferencista nas áreas de Família e Liderança; mestre e doutorando em Ciências Sociais).

terça-feira, 17 de junho de 2008

Os Impedimentos de DEUS geram, de DEUS, novas possibilidades!!!


Texto Base: Atos 16: 11 - 40


Às vezes ao longo da nossa caminhada somos levados à situações que não esperamos, situações que críamos que seriam boas oportunidades de crescimento pessoal e espiritual para nossas vidas e que não dão certo. Meu amado, neste dia gostaria de te falar que Deus dirige os teus passos e Ele tem o melhor caminho para tua vida.

No texto lido em Atos, Paulo estava indo em direção à região da Macedônia e pregava o evangelho. Conversões aconteciam, uma mulher que outrora possessa, anunciava em nome de Paulo e Silas, quando estes oram a mulher fora curada e liberta do espírito imundo que a perturbava. Mas, por causa daquela libertação, Paulo e Silas se depararam com um Grande Problema. Quando você e eu nos depararmos com um Grande Problema amado, lembre-se que teu problema nunca será maior do que a grandeza do teu Deus e Suas promessas na tua vida!

Mas quando será que os problemas que enfrentamos surgem? Surgem quando buscamos a Deus com toda a nossa força, quando buscamos a santidade. Satanás, nosso adversário, não nos quer ver perto de Deus e vem com força para nos destruir, pois esta é sua missão: matar, roubar e destruir. Mas, como está escrito, Maior Aquele que está em nós do que aquele que está no mundo.

Em meio ao Grande Problema, Paulo e Silas, por volta da meia-noite, encarcerados por causa do evangelho, Oravam e Louvavam a Deus. Esta é a grande receita que Deus nos oferece em meio aos nossos grandes problemas – a ferramenta da oração – quando O louvamos e adoramos liberamos a ação de Deus em nossa vida e a arma do inimigo não resiste contra nós. A vitória é manifesta para que o nome de Deus seja glorificado! Então, poderemos cantar como diz o velho hino: Conta as bênçãos, conta-as de uma vez, e hás de ver surpreso o quanto Deus já fez!

Se a tua luta pareceu grande, o que Deus fez e fará através dela será muito maior. Abraão creu contra a esperança e fortaleceu a sua fé dando glórias a Deus.

No decorrer da história de Paulo e Silas, lemos que De repente veio um terremoto. Deus está balançando a terra a tua volta e os “cárceres” que te prendem vão ser abertos. Hoje, Deus vai abrir portas para a tua vida e os teus inimigos se estremecerão diante de ti, como diz o salmista: “preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos”. As portas que Deus abre ninguém fecha e as que Ele fecha ninguém abre.

Mas note no versículo vinte e sete que o carcereiro após ver tudo o que acontecia desejava a sua morte, e Paulo bradou sobre a situação que estava prestes a acontecer. Quando Deus abrir as portas para ti, amado, a obra vai ser tão completa que até o ladrão de alegria vai se alegrar junto com você. Se a tua luta é grande, a tua vitória será muito maior e terás dias de Grande Festa. Como está escrito: "O SENHOR entregará, feridos diante de ti, os teus inimigos, que se levantarem contra ti; por um caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão da tua presença." (Dt 28:7). Louvado seja o nosso Deus!

(Montagem feita através do sermão ministrado dia 03/06/2008, terça-feira, pelo Pr. Jocymar B. Fonseca, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(Jocymar B. Fonseca é formado pelo Seminário Nazareno em 1994 e faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 1995 na qual atua como pastor responsável pelo ministério de louvor e adoração e é líder do ministério Celebrai.)

segunda-feira, 16 de junho de 2008

“Levando Cativo todo Pensamento”


Texto Base: II Coríntios 10:4,5

Quando lemos as Sagradas Escrituras encontramos conforto, mas de repente, bate o desespero ao nos depararmos com situações adversas da vida. Muitas pessoas são fáceis de serem manipuladas e podem ser presas fáceis de ventos de doutrinas falsas e heresias. Há muitas situações que infiltram nossos lares dos mais diversos modos disponíveis na mídia. De todas as batalhas que enfrentamos durante a jornada diária, a mais terrível é sem dúvida, a batalha dos pensamentos. A mente humana é uma arma perigosa no que ela pode gerar em mim e em ti.

Devemos tomar cuidado com alguns raciocínios que se opõem a Palavra de Deus, dentre eles, destacamos:

(a) ORGULHO – Algumas pessoas formulam idéias e conceitos que se elevam àquilo descrito nas Escrituras Sagradas, devemos tomar cuidado ao tentarmos entender às Escrituras Sagradas com a nossa própria inteligência, ao estudar as Escrituras, devemos levar cativo todo pensamento e torná-lo obediente à Cristo.

(b) CARNALIDADE – referido às obras da Carne descritas em Gálatas 5:19,21; são elas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. E Paulo nos adverte, "Aqueles que tais coisas praticam não herdarão o Reino dos Céus." Devemos agir como no Espírito, de acordo com Gálatas 5:16, e de modo nenhum satisfaremos os desejos da carne.

Enquanto estivermos nesta Terra e a trombeta não soar, existirão lutas para o povo de Deus, conforme lemos em Tiago 4:17, o inimigo nosso adversário está ao nosso redor bramando com um leão procurando nos devorar. Devemos resistir ao diabo e ele fugirá de nós por sete caminhos, como está escrito: "O SENHOR entregará, feridos diante de ti, os teus inimigos, que se levantarem contra ti; por um caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão da tua presença." (Dt 28:7).

O Apóstolo Paulo já nos alertava em II Coríntios 12:20 de que temia encontrar o povo em meio à carnalidade. Aquele que está em pé cuide-se para que não caia! Está escrito em Romanos 1:18 que, “A ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça.” Se quisermos viver cheio do Espírito devemos conhecer dois lugares, são eles:

(a) CALVÁRIO – negação de si mesmo. Somos livres quando encontramos o Calvário, pois foi lá que Deus cravou todo escrito de culpa que era contra nós!

(b) PENTECOSTES – chama-se purificação. Para vencermos a carne precisamos passar pelo fogo purificador. Esvaziarmos-nos de nós mesmo e encher-nos do Espírito.

Que neste dia o Espírito Santo possa tocar o seu coração para encontrar o Calvário, liberar todo fardo que carrega e também, que você possa se purificar no Pentecostes, de toda imundície que há no mundo. Louvado seja o nosso Deus!


(Montagem feita através de sermão ministrado no dia 07/06/2008, sábado a noite, pelo Pr. Alex Fonseca, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo).

(Alex B Fonseca formou-se pelo Seminário Teológico Nazareno - 1994, estudou em Point Loma Nazarene University - 96-99, especializando-se nas seguintes áreas: Língua Inglesa, Ministério com Adolescentes e Jovens, e Mestrado em Ministérios; atuou na Igreja do Nazareno de San Jacinto - CA – USA, como pastor voluntário junto ao Ministério de Juniores e Louvor; e como missionário responsável no Louvor, Evangelismo, Jovens e Missões, na Igreja do Nazareno em Tehachapi - CA – USA, 1998-2001, faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 2001)

Por quê estás triste?


Dois homens caminhavam, lentamente, como quem não espera chegar a lugar algum, alimentados por uma profunda dor – a saudade, e derrotados por outra ainda maior: a decepção.

De repente, o silêncio mórbido foi interrompido pela voz de um outro viajante, em cujo coração a decepção não achara lugar, e a saudade era muito clara: rever velhos amigos, companheiros de três anos de peregrinação, como atalaias da paz, arautos do bem e mensageiros do amor.

Aquele homem, com uma voz estranhamente familiar, quebra o silêncio, como todo amigo que retorna, sem precisar pedir licença, e foi questionando o lado sombrio daquele silêncio denunciador: Por que estás triste?

Esta seria mais uma história qualquer, de alguém que especula, curiosamente, a dor dos outros, sem o interesse real de ajudar, não fora aquele homem, Jesus. Aquela estrada, até então desconhecida, eternizou-se Estrada de Emaús, o caminho onde a saudade e a decepção são vencidas pela presença de quem traz consigo segurança, alegria e paz.

Todos nós encerramos essa “estrada” em nossa vida. São aqueles momentos que nos envolvem intenso sofrimento, convertido em aparente indomável angústia; é a presença da perplexidade, sentimento de abandono e decepções, acompanhado de medo do amanhã.

Em Emaús, a sensação de abandono é intensa, principalmente porque a poeira dos desencontros esconde, dos olhos, o brilho da esperança; e os ventos que sopram em sentido contrário, fazem perder de vista o norte da vida. Caminhar sob lágrimas é, não raro, tropeçar na própria dor, e machucar, cada vez mais, o coração ferido.

Emaús, também, é caminho de redenção; de vitória que surge, quando não há mais horizontes; de esperança concebida nas entranhas da fé. Emaús é o caminho por onde Deus acompanha nossos passos, ouve nosso lamento e pergunta: Por que estás triste?

Ele é o terapeuta que nos escuta com empatia. É o médico que prescreve o remédio que cura; o amigo que conhece os segredos do coração; a paz, em meio a intensa turbulência; voz que quebra o silêncio na caminhada solitária.

A Estrada de Emaús é a exata distância entre a dor e o refrigério que procuramos. Entre o sofrimento e a paz que precisamos; entre nossos temores e a segurança de um amanhã melhor. O que nos importa, mesmo, não são as distâncias que percorramos, mas a certeza de um lugar certo, onde nossos passos se encontrarão com os passos de Deus.


Por que estás triste? Deus não desiste de nós. Quer estar conosco. Gosta de fazer companhia. Quem sabe, está apenas esperando o convite: Fica conosco, Senhor! A partir de então, Emaús passa a ser a estrada da vitória, pavimentada pela esperança, pelo conforto da presença de Deus.

(Texto extraído do portal http://www.pibjp.com.br, edição de 04/03/2008 )
(Estevam Fernandes de Oliveira, Pastor da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, PB, é Psicólogo Clínico e Terapeuta Familiar, conferencista nas áreas de Família e Liderança; mestre e doutorando em Ciências Sociais).

domingo, 15 de junho de 2008

Sonhos e Visões

Texto Base: Joel 2:28

Um dos grandes nomes na mídia mundial hoje é o candidato à Casa Branca, Barack Obama. Em seu livro intitulado: “A Ousadia da Esperança”, Obama relata sua trajetória de vida. Ainda menino fora abandonado pelo pai e passa então a ser criado por um “novo pai”, instruído pelo islamismo. Obama, converte-se ao cristianismo, e em uma das mensagens pregada pelo seu pastor nos Estados Unidos, resolve transcrever suas anotações e passá-la para um livro, o foco principal deste livro é : Os que esperam são ousados. Ainda haverá uma possibilidade para termos uma esperança ousada, temos que acreditar com ousadia de que as coisas vão mudar.

Um dos nossos grandes defeitos é que focamos muito nossa atenção em problemas à nossa volta, nos envolvemos mais com o micro e esquecemos de dar atenção ao macro, esquecendo-nos muitas vezes de crer na poder que há em Deus.

Ninguém é velho o suficiente para deixar de sonhar e nem jovem demais para não ter visões. As grandes realizações do mundo ocorreram com pessoas de mais de cinqüenta anos, essa é a idade de realizações e multiplicações. Os nossos velhos precisam crer que seus sonhos devem gerar esperança. Esperança de mobilizar uma cidade inteira, com pessoas marginalizadas e doentes, de que há esperança em Jesus Cristo.

O pensamento da possibilidade conduz ao êxito. A igreja cresce com jovens visionários. O sonhador olha para frente, jamais fica olhando para trás. Precisamos livrar nossas mentes daquilo que nos atrofia e vivenciar aquilo que nos diz o profeta Joel: Os jovens terão visões e os velhos, sonhos.

Os velhos sonhadores de nossa igreja devem ter a esperança de patrocinar, incentivar e estimular as visões de nossos jovens. Este é um dos sinais dos últimos tempos, de que o Rei está voltando: O Mundo em que vivemos seria movido por sonhadores e visionários; pessoas que queiram causar uma revolução espiritual no mundo em que vivemos.

Que neste dia o Senhor possa levantar velhos sonhadores e jovens visionários que possam mobilizar nossa sociedade! Amém!

(Montagem feita a partir do sermão ministrado domingo pela manhã, 15/06/2008, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo).

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e Fundador do Ministério Mãos Estendidas.)

quarta-feira, 11 de junho de 2008

“De um DEUS Grande só podemos esperar coisas Grandes!”


Salmos 46


Davi constantemente orava esta oração: “Inclina os teus ouvidos, ó Senhor, e responde-me, pois sou pobre e necessitado.”. Talvez essa também seja a tua oração hoje. Todos nós temos aflições e necessidades. Às vezes a necessidade não é apenas material, é também emocional; as pessoas passam por momentos de depressão porque há uma necessidade maior que não pode ser suprida por dinheiro e bens, uma necessidade da alma.

Muitos também têm aflição porque tem medo do amanhã, medo de arriscarem coisas novas. Esta oração que lemos no verso primeiro não foi feita por qualquer pessoa, mas pelo Grande Rei Davi; nunca houve na história alguém tão importante como Rei Davi, homem segundo o coração de Deus. E, no entanto, também passou por momentos de grande aflição e necessidade, clamando a Deus, conforme lemos no verso dois: “Salva o teu servo”.

Sabemos do Salmo 34:8, que muitas são as aflições do justo, mas de todas elas o Senhor o livra. Hoje gostaria de compartilhar com vocês seis verdades que precisam ser postas em prática para que tenhamos um novo ânimo em momentos de aflição e necessidades:

1ª. Verdade – (versículo cinco) – TU Senhor és BOM!

Quando estiveres diante da aflição ou necessidade, deves ti lembrar de que Deus é Bom e que de um Deus BOM só podem sair coisas boas. Não é necessário ter medo de se ter um relacionamento com Deus porque dos Céus só vêm coisas boas, coisas que te dão prazer e gozo na alma. Em meio a tua necessidade, lembra-te que Deus é BOM! E de acordo com o verso cinco, Ele é Bom para com TODOS que O invocam. Dele vêm planos e pensamentos a teu respeito que são bons, porque Ele é bom. Coisa ruim só pode vir de uma fonte: Satanás – Este sim quer te matar, roubar e destruir, mas Deus é Bom! Creia nisso e serás feliz!

2ª. Verdade – (versículo sete) – Deus RESPONDE a oração daqueles que O invocam!

Conforme lemos em Jeremias 33:3: “CLAMA a Mim e responder-te-ei e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que tu não sabes”. De um Deus Grande, só podemos esperar coisas grandes. Aleluia! Qual belo é imaginar que ao orarmos Ele nos atende e ainda nos promete coisas Grandes. Deus é bom, Ele cuida de nós e se importa com nós. Ele responde às nossas orações e age em nosso favor!

3ª. Verdade – (versículo dez) – Deus é GRANDE!

Deus é maior do que o teu problema e do que qualquer problema que tu possas enfrentar. Ele é maior que seus medos. Diante do Senhor nada se compara com a Sua grandeza, por isso, não permita que sua dor diminua a grandeza de Deus. Ele é grande! Maior Aquele que está em ti do aquele que está no mundo.” Com Jesus tu vais além, ainda que a figueira não floresça e não haja fruto na videira, tu não temerás pois teu Deus está contigo e Ele é grande para poder destruir todos os seus “gigantes”, assim como foi com Rei Davi ao vencer o gigante Golias. Glórias sejam dadas ao nosso Deus! Ele é Grande!

4 ª. Verdade – (versículo treze) – O Senhor é grande em MISERICÓRDIA!

Ele nos olha com olhar de compaixão, nos vê em meio às nossas dores e nosso estado de miséria e nos constrange. Mas Ele está disposto a escrever uma nova história em nossas vidas!

5ª. Verdade – (versículo quinze) – Deus é COMPASSIVO!

Deus te olha hoje e Sua graça vai de encontro à sua vida. Os aflitos e necessitados não são esquecidos e a graça de Deus o traz a caminhos novos. O Ministério de Jesus era fazer sinais, prodígios e maravilhas; e Ele está disposto a fazer o mesmo por tua vida, por minha vida. Ele é Compassivo, Ele nos olha com amor e compaixão de alguém que quer nos ver em alegria. Deus é grande.

6ª. Verdade – (versículo dezessete) – Tu me AJUDAS e me CONSOLAS!

Deus hoje quer te ajudar e quer te consolar porque Ele é Grande. Ele é cheio de graça e misericórdia. Ele quer que você hoje fique renovado e animado e assim como salmista poder cantar: “Em paz me deito e logo pego no sono porque é o Senhor que me sustenta”. Deus te abençoe!


(Montagem feita a partir do sermão ministrado dia 10/06/2008, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

terça-feira, 10 de junho de 2008

Deus vai mudar a sua Sorte!


Sofonias 3:20

Na medida em que as coisas vão caminhando bem com as pessoas a nossa volta, às vezes somos tomados por um sentimento de que as coisas só vão bem para os outros e nós estamos sem sorte na vida, como que deixados de lado.

Na Bíblia podemos observar diversos casos de personagens que tiveram este mesmo sentimento. Uma destas pessoas é Ana, que via Penina (também era mulher de Elcana, assim como Ana) engravidando e dando à luz filhos e ela, no entanto, continuava estéril. Mas, no entanto, a perspectiva de Deus não era a mesma de Ana; Ana queria um filho, Deus um profeta. Vemos também a historia de Zacarias e Isabel que clamavam a Deus por um filho e nada obtinham, mas no final, viram Deus mudar a sorte deles. Deus muda a sorte do seu povo, de acordo com a Sua perspectiva.

No texto lido, podemos extrair algumas aplicações para nossas vidas:

1ª. Aplicação – (Versículo 15): O Senhor AFASTOU as sentenças.

Toda palavra liberada contra ti meu amado, já foi quebrada pelo Senhor. Nosso Deus já cravou toda sentença que era contra mim e contra ti na Cruz do Calvário. Então, poderemos dizer assim como o salmista: “Em paz me deito e logo pego no sono, porque é o Senhor que me sustenta.” Lembre-se sempre do que diz as palavras do profeta Isaías gravadas em Isaias 64:4Desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum viu outro DEUS, além de Ti, que trabalha para aqueles que nele esperam.” Nós estamos debaixo da graça do Trino DEUS!

2ª. Aplicação – (Versículo 15): DEUS põe fora os teus inimigos.

“Maior Aquele que está conosco do que aquele que está no mundo.” A batalha que tu enfrentas não é tua, não é minha, mas é do Senhor. As Escrituras nos dizem que se o inimigo se levantar contra ti por um caminho, por sete ele fugirá, conforme lemos: "O SENHOR entregará, feridos diante de ti, os teus inimigos, que se levantarem contra ti; por um caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão da tua presença." (Dt 28:7)

3ª. Aplicação – (Versículo 17): O Senhor MEU DEUS.

O Senhor é o MEU Deus, Ele é o TEU Deus. Ele está no meio de nós e vai aonde nós formos. Ele é o NOSSO Pastor e nada nos faltará! Por isso nada temeremos porque Ele é o NOSSO Deus. Conforme lemos em Isaías 43:13; “Desde os dias mais antigos EU o SOU. Não há quem possa livrar alguém da MINHA Mão. Agindo EU quem pode desfazer.”

4ª. Aplicação – (Versículo 15): Tu não verás o perigo.

Nós estamos debaixo da graça de Deus. Não é o esforço das coisas que fazemos mas sim, o quanto cremos na Sua Palavra. Por isso, não temeremos, não perderemos o pique da nossa caminhada cristã, porque o Senhor mudará a nossa sorte diante dos nossos olhos.

(Montagem feita a partir do sermão ministrado no dia 09/06/2008, segunda-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Jocymar B. Fonseca, anotado por Lucas Tognolo)

(Jocymar B. Fonseca é formado pelo Seminário Nazareno em 1994 e faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 1995 na qual atua como pastor responsável pelo ministério de louvor e adoração e é líder do ministério Celebrai.)

domingo, 8 de junho de 2008

Provai que o Senhor é Bom!


Salmos 34


O encantamento deste Salmo está na sua diversidade. Este contém conselhos e alertas. Escrito por Davi em um momento de angústias, em um momento em que Davi se encontrava fugindo do Rei Saul. Davi estava amargurado (desequilibrado) e este teve que se esconder na casa do inimigo (Abimeleque), na terra dos filisteus, e fora lá que Davi encontrou inspiração para escrever este Salmo.

As grandes bênçãos da nossa vida não são moldadas em época de prosperidade, tranqüilidade e saúde da alma; mas sim, em época de tribulações, lutas e muita dor. É quando, de repente, o que nos arruína começa a nos abençoar. As grandes bênçãos de Deus vêm nos momentos difíceis.

No meio disto tudo, Davi nos diz no Salmo 119: “Muitas são as aflições do justo.” A palavra aflição, representa uma dor profunda, grande sofrimento; e a palavra justo, alguém que se encontra sem culpa. Uma grande contradição nós encontramos aqui, muitos são os grandes sofrimentos de alguém que se encontra sem culpa. Por isso somos justificados e Deus nos vê sem culpa através de Jesus que cobriu todos os nossos pecados. De todas as aflições (são MUITAS, de várias maneiras) o Senhor nos livrou.

MUITAS aflições são conseqüência das nossas escolhas erradas, daquilo que nós semeamos: temperamentos, casamento, relacionamentos, atos e atitudes que podiam ser evitados e nós não nos policiamos. Tudo o que nós semearmos, colheremos. Muitos de nossos sofrimentos podem ser evitados ao controlarmos nossas atitudes e maneiras de agirmos.

MUITAS aflições são conseqüência de motivos naturais que nos atingem, tais como doenças. Paulo tinha uma doença incurável; orou, jejuou, mas Deus não o curou. Deus deixa agente debaixo de algumas coisas para que vivamos debaixo da graça dEle. É na nossa fraqueza que somos fortalecidos. A graça de Deus nos basta.

MUITAS aflições são pequenas brechas que deixamos e o leão que anda ao nosso redor ENTRA! Sejam essas brechas na área moral – deve se honrar compromissos no casamento, respeitar amizades e ter uma personalidade digna; como, na área financeira – deve ser tratada com respeito.

Um abismo não começa com 1000 metros de profundidade, mas com 1 centímetro. E um abismo chama o outro abismo, quando vemos podemos estar em um buraco grande e vivenciando uma grande aflição.

Mas como é bom saber que Deus nos livra de TODAS as nossas aflições (Salmo 34:6). Vejamos alguns exemplos de como Deus nos livra:

a. Deus nos livra de toda obra maligna: O Senhor nos livra de toda obra maligna mas precisamos fazer nossa parte, agir com prudência com as nossas finanças e relacionamentos.

b. Deus nos livra de todo mal: Devemos nos lembrar da oração do “Pai nosso” de que Deus nos livra de todo mal, mas que sejamos também sóbrios e vigilante, o inimigo nosso adversário anda ao nosso redor bramando com um leão procurando nos devorar.

c. Deus nos livra de calúnias: O Salmo 122 nos traz a memória que Deus nos livra de toda língua mentirosa. Quando alguém vem contra ti com fofocas, entrega a situação nas mãos de Deus que Ele entrega nas mãos dos verdugos (os vingadores de Deus).Deus é um Deus de vingança, a Ele toda justiça e não a nós mesmos.

d.Deus nos livra da Lei do Pecado e da Morte: Que coisa linda quando lemos Romanos 8:2 e descobrimos que o pecado não tem mais domínio sobre nós, pois o sangue de Jesus nos purificou de todo o pecado. Maior é aquele que está em nós do que aquele que está no mundo.

MUITAS são as aflições do justo, mas o Senhor nos diz hoje: “A minha graça te basta .”

(Montagem apartir do sermão pregado domingo pela manhã, 08/06/2008, na Igreja do Nazareno Central de Campinas pelo Pr. L. Aguiar Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo)

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é Fundador do Ministério Mãos Estendidas.)

sábado, 7 de junho de 2008

Paulo na Ilha de Malta


At 28: 1-10

Examinando o contexto das escrituras, vemos no capítulo 27 de Atos que Paulo estava preso, e tendo sido solto, vai a Roma. No caminho para Roma, tendo navegado muitos dias e o vento era contrário (verso 7), Paulo orientava os tripulantes dizendo que a viajem era perigosa (verso 9) e tinham que usar os meios disponíveis para não morrerem no mar (verso 17). Paulo confortava os tripulantes do navio alertando que era necessário que eles parassem em uma ilha (verso 26).

Lemos então, no capítulo 28 versículo primeiro, que TODOS passaram pela mesma dificuldade e TODOS sobreviveram. E aqui, no versículo três tiramos nossa primeira lição: Paulo estava catando gravetos. Mesmo que as dificuldades venham, precisamos aproveitar pequenas oportunidades que temos. Paulo não estava murmurando ou rebeliando-se, mas sim, catando gravetos para sair da dificuldade. Quando lemos na Bíblia que: “No mundo tereis aflições mas tende bom ânimo”, esse bom ânimo representa os “pequenos gravetos”, as pequenas atitudes que tomamos para contornar as aflições que teremos no mundo.

Mas note que quanto mais Paulo estava buscando à Deus, uma víbora o segura pela mão. E de acordo com o verso quatro, as pessoas em volta o acusavam de ter pecado. E assim acontece conosco também, muitas vezes quando uma “víbora” nos alcança, pessoas nos cercam de palavras de maldição e calúnia. Paulo, ouvindo as palavras de maldição, sacode a víbora no fogo e não sofre mal algum (verso cinco). Em meio a palavras ruins, simplesmente devemos fazer como Paulo, simplesmente sacudir as mãos e atirar ao fogo toda “víbora” e assim, não sofreremos mal algum.


E a terceira lição que aprendemos, no verso seis, é que Paulo dá uma virada na vida dele e as pessoas começam a achar que este é um deus. Após passarmos por dificuldades, Deus nos colocará em lugar de honra para glorificarmos o Seu nome. Vemos logo em seguida, no verso oito, que Paulo passa então a curar um enfermo. Deus não somente nos coloca em lugar de honra, mas quer que glorifiquemos o Seu nome através do poder que há no nome dEle.


Paulo pegou os gravetos e transformou as adversidades em bênçãos. Podemos tirar quatro promessas para as nossas vidas aqui:

1ª.) Deus usa pessoas inexperadas para abençoar nossas vidas (verso dois).

Aqui Deus usou os bárbaros para abençoar a vida de Paulo.

2ª.)As pessoas esperavam que Paulo fosse inchar e cair duro mas depois de muito esperar viram que nenhum mal acontececia.

Nenhuma armação dos nossos adversários triunfará nas nossas vidas.

3ª.)As pessoas mudaram de parecer com relação a Paulo e pensaram este ser um deus.

As pessoas que nos cercam vão mudar de parecer em relação às nossas vidas porque Deus é quem guerreia por nós.

4ª.)Paulo impôs as mãos sobre o enfermo e o curou.

Com nossas mãos, Deus nos dará autoridade para sermos usados de forma poderosa e glorificar o Seu nome.


(Flávio R. Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é formado pelo Seminário Teológico Nazareno e pelo Institute do Asbury Theological Seminary – EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY – EUA, Coordenador Nacional de Treinamento e Capacitação de Líderes,Coordenador Sul-Americano de Treinamento e Capacitação de Líderes, Membro da Junta Geral, desenvolveu ministério como pastor em Campinas, SP na Igreja do Nazareno Ebenézer e, em Nova York – EUA, na igreja do Nazareno Brasileira, convidado pelo Pr. Aguiar para compor sua equipe desde 2005)

quarta-feira, 4 de junho de 2008

O Senhor É o MEU PASTOR e nada me faltará!!!


SALMOS 23:1

Aqui aprendemos três princípios para nossa vida:

1º.) O Senhor é meu : PASTOR;

Pastor aqui representa alguém que tem cuidado, provisão, alguém que ajuda as suas ovelhas. Deus tem força para te sustentar. Ele é O Pastor. Alguém que se preocupa contigo e comigo. Alguém que vê nossas dificuldades e age com cuidado, com provisão, pois Ele é o PASTOR.


2º.)O Senhor É;

Ele É, representa uma continuidade na obra de Deus. Ele não muda. O mesmo Deus que operava no passado opera hoje também em sua vida, em minha vida. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Ele É. Deus é o Todo-poderoso que se materializa em forma de paz, alegria e perdão. Ele quer te trazer hoje alegria e esperança. Em meio às suas dúvidas, em meio às suas dificuldades, Deus hoje diz: Eu sou. Ele É simplesmente o Todo-Poderoso.

3º.)O Senhor é: MEU.

O pronome MEU aqui no texto nos traz a idéia de posse. Quando um pai diz: “Este é meu filho.” O pronome meu faz toda diferença; indica carinho, afeição, alma plenamente envolvida com o pai. Assim também é o Senhor para com os seus filhos. Ele é o MEU pastor. Ele é o TEU pastor. Ele cuida de mim, Ele cuida de ti também. Deus se preocupa com carinho e zelo pelas nossas vidas, Ele quer nos dar renovo, alívio para nossas almas. Viver pela fé é conviver com perguntas sem respostas, Deus é o MEU pastor e nada me faltará. Creia nisso e tudo se fará bem.


(Esboço montado apartir do sermão pregado pelo Pr.Jeremias Pereira da 8a. Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, segunda-feira, 02/06/2008, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

SERVINDO JUNTOS


Servi-vos uns aos outros pelo amor.
Gálatas 5:13


Quando Cristine Bouwkamp e Kyle Kramer se casaram na primavera de 2007, fizeram algo que a maioria de nós não pensaria fazer. Ao invés de fazerem um almoço sentados à mesa, fizeram uma pequena recepção na igreja e estimularam os seus convidados a ajudarem a distribuir comida a pessoas em necessidade.

Compraram um camião cheio de comida e descarregaram-no no estacionamento da igreja. Depois, eles e os seus convidados, serviram as pessoas do bairro. Cristine e Kyle disseram que a primeira coisa que queriam fazer como casal era servir os outros. Porque Deus tinha mudado as suas vidas tão radicalmente, queriam "engrandecer a Deus por nos abençoar um com o outro."

Os Kramer escolheram um bom começo para a sua vida de casados - engrandecer a Deus servindo os outros. O apóstolo Paulo encorajou os cristãos da Galácia:" Servi-vos uns aos outros pelo amor" (Gl 5:13). Alguns deles pensavam que as práticas cerimoniais do Velho Testamento ainda estavam em vigor na igreja. Então Paulo escreveu que a salvação é pela graça através da fé. É pela fé que vivemos a nossa nova vida em Cristo. Ele lembrou-os que a lei foi cumprida nisto: "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo" (v14).

Como seguidores de Jesus, estamos aqui para O servir por amor - para "engrandecer a Deus por nos ter abençoado." - Anne Cetas


DEUS ABENÇOA-NOS PARA SERMOS UMA BÊNÇÃO PARA OS OUTROS!!!
Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê. Rm 10:4


(Texto extraído do Devocional Diário dia 03/06/2008).

terça-feira, 3 de junho de 2008

O Verdadeiro Campeão!!


Você se considera uma pessoa vitoriosa?

Infelizmente, transformamos a existência numa grande competição. Numa maratona cruel! Vivemos ilhados; rodeados por desafios de todos os lados. Daí, internalizamos uma lógica de sobrevivência: vencer é preciso!

Na trajetória rumo à vitória, concorrentes é que não faltam. Lutamos contra tudo e contra todos. Há sempre alguém que precisamos vencer - às vezes, derrubar e deixar para trás. Nesta lógica, nossa auto-afirmação vai sendo construída na medida em que outros vão caindo ao nosso redor.O outro
passa a ser, necessariamente, uma ameaça. Nosso inimigo em potencial. Como diria o filósofo Nitzche: "o inferno é o outro". Nosso podium tem que ser erguido sobre escombros alheios.

- Mas, vencer a quem?

- Quem é nosso maior concorrente?

Concorremos conosco mesmos, não com outras pessoas!

Passar na frente de alguém, não significa que conquistamos nossa melhor corrida. Nossa maior vitória não consiste no fato de que derrotamos nosso maior rival. Na verdade, nossa grande batalha dar-se dentro de nós mesmos. É conosco que temos que lutar, constantemente!

Não importa, exatamente, quantas vitórias uma pessoa conquistou ao longo da sua vida; ela estará na condição de derrotada se perder a batalha travada consigo mesma.

Vencer a si mesmo, é tornar-se verdadeiramente vitorioso!

Ironicamente, a nossa vitória sobre os outros é que se constitui como fator decisivo para que percamos a luta contra nós mesmos. Isso ocorre quando, ao vencermos alguém, nos deixamos aprisionar por sentimentos como: orgulho, arrogância, soberba e auto-suficiência. Ao se apropriarem da nossa
alma, nos tornamos perdedores. A grande vitória é vencer os inimigos que nós criamos dentro de nós mesmos.

Na maratona da vida, nossa maior ameaça não são os outros; somos nós mesmos. Portanto, precisamos aprender a lutar contra esse inimigo! Nosso egoísmo, nossa falta de humildade, nosso complexo de superioridade; e tantas outras forças negativas como: medo, insegurança, inveja, é que são nossos
verdadeiros algozes.

Vencedor é aquele, que não se descuida de si próprio. Com humildade deseja aprender sempre mais e reconhece que precisa superar-se nas suas imperfeições. É aquele que não sobe na vida derrubando outros, e não faz da sua verdade particular uma cortina, para não reconhecer outras verdades.

Vencedor, é todo aquele que reconhece que ninguém se basta a si mesmo; por isso mesmo reconhece que grande só há um, que é Deus!


(Estevam Fernandes é psicólogo e terapeuta familiar. Pastor da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, PB. Texto publicado no Jornal Correio da Paraíba, edição de domingo, 22 de agosto de 2004).