quinta-feira, 28 de agosto de 2008

O Bom Perfume de Cristo!


Texto Base: II Coríntios 2: 14-17

O cheiro de uma pessoa, muitas vezes, define a qualidade de uma situação por ela vivida. Todos nós temos um cheiro; seja ele agradável ou não, e o que Paulo nos fala na carta aos coríntios é de que este cheiro precisa ser o bom perfume de Cristo – o perfume que muda o lugar onde estamos e a vida das pessoas com as quais andamos.

Mesmo em uma vida de triunfo, precisamos fazer com que seja manifesta a fragrância do bom perfume de Cristo, como no verso quatorzeMas graças a Deus, que sempre nos conduz vitoriosamente em Cristo e por nosso intermédio exala em todo lugar a fragrância do seu conhecimento o bom perfume muda o aroma do ambiente em que vivemos!

Que cheiro é esse que devemos exalar?

Em Gênesis 8:20,21 – Depois Noé construiu um altar dedicado ao Senhor e, tomando alguns animais e aves puros, ofereceu-os como holocausto, queimando-os sobre o altar. O Senhor sentiu o aroma agradável e disse: Nunca mais amaldiçoarei a terra por causa do homem, pois o seu coração é integralmente inclinado ao mal desde a infância. E nunca mais destruirei todos os seres vivos como fiz desta vez. Precisamos aprender assim como Noé, a fazer todos os dias, com que o Senhor se agrade de nosso perfume.

O que é que faz com que as narinas de Deus sejam “agredidas” com o mau cheiro?

Falta de Compromisso – Falta de muitas coisas na nossa vida fazem com que exalemos um mau cheiro, mas acima de tudo, está a falta de compromisso para com as coisas de Deus – falta compromisso com a oração, com a igreja, com o pastor, com a leitura da Palavra. Cheira mal para Deus uma vida marcada por relacionamentos amargos, falta de caráter nas negociações, um vocabulário maldito, fofocas constantes.

Precisamos exalar um bom aroma, agradável ao Senhor, e só há uma maneira de conseguir isto: arrancando o mau cheiro de nossas vidas, tudo o que está podre e colocá-lo para o lixo. O mau cheiro incomoda a todos; ninguém gosta de andar perto de alguém que cheira mal, e assim também é ação do Espírito Santo em nossas vidas. O Espírito Santo não habita em meio a lixo, mas aonde há um aroma agradável a Ele. Precisamos ter o mesmo cheiro em qualquer lugar em que andemos, nas ruas, em casa, no trabalho, na igreja; para que a unção do Espírito Santo esteja em nossas vidas!

Quais são as áreas da tua vida que trazem mau cheiro? Podem ser que sejam amizades destrutivas – precisamos andar com pessoas que exalam o mesmo cheiro que nós, se não, uma “confusão de cheiro” torna-se em uma enxaqueca! – pode ser que seja um vocabulário maldito, atos e atitudes que não condizem com quem teme a Deus. Quando as diversas áreas da nossa vida começam a cheirar mau; é hora de começarmos a limpá-las. Se Cristo está em nós, só há um perfume que deve estar cheirando em nossas vidas: O Bom perfume Dele!

O Espírito Santo quando entra em nossas vidas, entra como fogo purificador: limpa tudo que exala um mau cheiro e deixa tudo mais doce que o mel com a presença do Redentor em nossos corações. Deus hoje quer trabalhar em nossos corações, meus queridos! Que Ele te abençoe e te guarde de todo mal.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 25/08/2008, segunda-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo.)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Cura Divina


Texto Base: Mateus 4: 23-25

A nossa fé precisa de algo externo (milagres, curas, sinais e prodígios) para que o nosso coração possa ser movido. Precisamos de algo além disso também: salvação. Todos nós compareceremos ao Tribunal de Cristo; e diante deste Tribunal, apenas uma condição será analisada para irmos ao Paraíso: se somos pecadores salvos ou não.

A cura divina tem o propósito de exaltar o nome do Senhor para algo maior, conforme lemos “Grandes multidões o seguiam”; por causa da cura divina, muitos creram em Cristo. Nossa função é a de proclamar o Evangelho e deixar Deus agir, pois não há limites para Ele! Se crermos, veremos a Glória Dele.

O ministério de Jesus consistia na pregação, no ensino e na cura por toda a Galiléia. Através da pregação era proclamado o Evangelho: Arrependei-vos porque está próximo o Reino. Jesus ensinava por meio de sinais e também curava. Conforme o versículo vinte e quatro, Ele curava doenças (físicas e/ou emocionais), enfermidades (patologia: doenças que se alojam na carne), endemoninhados (pessoas que o diabo faz ninho no coração para tirar a paz, tranqüilidade e a esperança; pois é para isto que ele veio, roubar, matar e destruir) e lunáticos (àqueles que mudam o comportamento de acordo com o ciclo da lua). Jesus curava toda sorte de doenças e enfermidades, e libertava toda sorte de males psíquicos; conforme lemos em Isaías 53:4 – “Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças (...)”.

Após a ressurreição, Jesus se encontrou com seus discípulos e deixou a seguinte ordenança registrada no livro de Marcos 16: 15-18 – “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas, pegarão em serpentes; e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal nenhum; imporão as mãos sobre os doentes, estes ficarão curados”. Todo poder e autoridade estão no nome do Senhor Jesus! Deus te abençoe hoje e sempre.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 24/08/2008, domingo pela noite, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Sinal de Deus


Texto Base: Gênesis 4: 9-15; João 2: 1-11

Ao lermos as Escrituras podemos notar diversas vezes que Deus coloca sinais no meio de seus povo; como em Gênesis 4:15, quando Ele põe um sinal em Caim para que ninguém o ferisse; e em João 2:11, quando Jesus dá aos Seus discípulo sinais para operarem prodígios e maravilhas. Deus sempre põe um sinal no meio do Seu povo; mas o que um sinal posto pela mão de Deus pode significar?

Dentro da Igreja Visível, há uma Igreja Invisível na qual Deus opera no meio do Seu povo por meio de sinais. Sinais são tudo aquilo que identifica uma pessoa (uma marca). Quando terminou o dilúvio, Deus pôs um sinal na Terra que representaria uma aliança de que jamais voltaria a destruí-la novamente. O mesmo aconteceu quando Jacó lutou com Deus e começou uma nova dispensação, Deus pôs nele um sinal (ferimento na coxa) para que se lembrasse Dele; e também, com o povo hebreu, ao colocar um sinal (circuncisão) que marcaria aquele povo como sendo o povo da aliança.

Aos trinta anos, Jesus começou seu ministério e foi a uma festa de casamento onde lhe apareceu uma situação a resolver: a falta de vinho. E Jesus, tinha sido desafiado por sua mãe (Maria) a resolver aquela situação, pois ela tinha certeza do que Ele era capaz de fazer. E então, Jesus operou um sinal para que a festa terminasse em um tempo de júbilo e alegria. Com este sinal (transformação da água em vinho), Jesus tinha começado Seu ministério, e os discípulos creram Nele.

Os sinais de Deus servem para que creiamos Nele! Conforme em Hebreus 2:4 – “Deus também deu testemunho dela por meio de sinais, maravilhas, diversos milagres e dons do Espírito Santo, distribuídos de acordo com a Sua vontade” – os sinais não terminaram com os apóstolos, é só uma questão de crer para que eles aconteçam!

Um sinal é a manifestação divina dentro da Igreja para que Ele mostre a Sua glória. É um símbolo de alegria – naquela festa Jesus mostrava através do sinal de que a vida cristã é uma vida de alegria! O Evangelho representa as Boas Novas (Lucas 2:10,11) e a presença de Deus, alegria. Alegria que o mundo não poderá ter, mas uma alegria eterna e duradoura.

Deus pode reverter quaisquer situações em nossas vidas através de sinais; eles acontecem na medida das nossas necessidades. O Evangelho é sobrenatural, não deve ser encarado como algo lógico – Nele há um mistério: Jesus toca em um leproso, e o leproso fica limpo; põe o dedo no ouvido do surdo, e o surdo passa a ouvir; para cada pessoa um tipo de sinal que representa a marca de que Deus entrou na vida de cada um.

Qual é a marca de Deus para nossas vidas? A geração de Noé teve o arco-íris; a geração de Abraão, a circuncisão; e a nossa geração? Nós precisamos de uma marca externa para aprendermos a mensagem interna. Paulo nos escreve que trazia sobre si as marcas de Cristo. Em I João lemos que aquele que é nascido de Deus e não vive na prática do pecado, o maligno não lhe toca. O nosso sinal que carregamos é que somos nascidos de Deus – da água e do Espírito – e por convicção disso, somo selados com o selo da promessa que é a autenticação de Deus em nossas vidas.

E estes sinais, acompanharão os que crerem. Martinho Lutero em seu momento de grande dificuldade lembrou-se do sinal de Deus para a vida dele e declarou: Castelo Forte é nosso Deus, escudo e boa espada. Com Seu poder defende os Seus, a Sua Igreja amada (...)” Deus nos deu um sinal para cada um de nós, para que creiamos Nele! Deus te abençoe.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 24/08/2008, domingo pela manhã, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Esperança


O que é, afinal, a esperança? Ela existe mesmo ou é apenas um tema recorrente dos poetas, dos teólogos, dos místicos ou, quem sabe, dos tolos?

Como é impossível conceber uma frota de carros, de aviões, navios, e de muitos outros motores que impulsionam o nosso dia-a-dia sem combustível que lhes dê movimento, assim também não é possível imaginar o ser humano movendo-se sobre a terra, debruçado sobre os desafios da vida, sem a esperança. Esperança é combustível. Aliás, ela é o combustível da alma.

Sem a esperança tudo para, tudo fica congelado, como um tempo sem o amanhã. É a esperança que nos faz pensar no próximo minuto, no próximo passo, na próxima tentativa. Ela é o fôlego da vida. É a inspiração que fecunda os sonhos e a respiração que os mantêm vivos, e os faz acontecer. A esperança e a vida se confundem. Uma não existe sem a outra.

Por isso a esperança é semente. É a vida em potencial. Com grande profundidade, o Apóstolo Paulo escreveu: “a esperança não traz confusão”. Isto é, a ordem sempre emerge do caos. A semente será sempre mais forte que a pedra que a tenta esmagar. De onde ninguém espera, brota a vida; da imensidão das trevas, brota a luz;. das impossibilidades aparentes, surge sempre uma solução. É a esperança que não desiste.

A esperança é amiga da paciência. É filha legítima da fé, e é parceira inseparável da perseverança e da determinação. Por isso tem razão a sabedoria popular quando afirma: “quem espera sempre alcança”. Ter esperança, é pois, a condição primeira para tornar-se uma pessoa vencedora. Sem ela, diante de todas as adversidades da vida, especialmente diante daquelas que fogem do nosso controle, não há como triunfar.

A vida não é fácil. Geralmente, nos perdemos em meio aos labirintos escuros das surpresas desagradáveis e dos desafios que nos vêem com ar de destruição. Daí, quem não tem esperança já é um perdedor. Já se deixou vencer, antes mesmo de começar a lutar.

Ter esperança é manter a luz acessa. É não curvar-se diante da escuridão. É ver tudo, sem enxergar
quase nada. É olhar para dentro de si e não perder os sonhos de vista. E ver-se a si mesmo quando ninguém nos percebe mais. É se esforçar para manter-se vivo, ainda mais quando tudo conspira contra nós.

Um dos indicadores de que Deus habita em nós é a esperança que transborda em nosso coração. Deus é a fonte de toda a verdadeira esperança. Quem nEle espera jamais fica confundido. A essência da fé não depende das liturgias da nossa religiosidade exterior, mas emana de uma espiritualidade fundada na mais solene liturgia da alma: a fé, a esperança e o amor. Quem ama, quer viver; quem vive, precisa de fé e de esperança. Todavia, é impossível manter a fé em Deus sem ter nos olhos o brilho da esperança. Esperar é olhar sempre na direção do amanhã. É confiar em um Deus que tudo pode!

(Texto extraído do portal http://www.pibjp.com.br, edição de 18/08/2008, escrito pelo Pr.Estevam Fernandes)

(Estevam Fernandes de Oliveira é Pastor da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, PB, psicológo clínico e terapeuta familiar, conferecista nas áreas de família e liderança, mestre e doutorando em ciências socias)

domingo, 24 de agosto de 2008

Milésimo de Segundo


Encerra-se mais uma olimpíada. Vitórias, derrotas, limitações, recordes. Tudo isto aconteceu. O que mais chamou minha atenção foram algumas conquistas, obtidas por diferença de milésimos de segundo. Lembro-me da resposta de um recordista:

“milésimos de segundo significam dezenas de horas e sacrifício”.

Na vida contínua, o que reputamos por sucesso, muitas vezes está escondido atrás de centenas de horas de estudo ou treino e também disciplina.

Alguns milésimos de segundo determinaram a queda de Golias ou o fracasso de Pedro; a salvação do ladrão na cruz ou a perdição de seu parceiro; a abnegação consagrada de Barnabé ou a morte de Ananias e Safira.

Sim, em alguns segundos os olhos de Davi contemplaram Bateseba e a desgraça entrou em casa; Pedro segurou na mão do Mestre e sobreviveu.

Em alguns milésimos de segundo podemos julgar uma pessoa ou perdoá-la; ser gracioso ou juiz.

Em milésimos de segundo posso garantir minha salvação ou deixá-la passar.

A escolha é nossa!

Pastor Aguiar.

(Texto extraído do editorial do boletim da Igreja do Nazareno Central de Campinas, edição de 24/08/2008, escrito pelo Pr. L Aguiar Valvassoura)
(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Como é que nós podemos crer?


Texto Base: Romanos 4: 13-25

O ponto de discussão que começa o Capítulo Quatro de Romanos é de que a circuncisão é apenas um selo da Promessa e nada mais que isso, Cristo veio para que tanto circuncisos quanto incircuncisos (judeus e gentios) fossem salvos. Paulo fala da necessidade de crermos, tudo que nós falamos vem pela fé no Amor de Cristo, e então, temos a Salvação no Senhor Jesus.

Os Capítulos Quatro e Cinco falam da nossa caminhada cristã: dizem que nem tudo ao longo da nossa caminhada é um “mar de rosas”, no mundo teríamos aflições. Aflições que produzirão perseverança, perseverança que produzirá experiência e experiência para crermos em um Deus que fará milagres em nosso favor!

Abraão foi um exemplo de fé que devemos seguir - ele esteve disposto a abrir mão de tudo para fazer a vontade de Deus – o chamado de Abraão foi para que este deixasse tudo (terra, parentela, amigos, casa) para ir ao lugar que Deus o mostrasse – creu na Palavra de Deus e O obedeceu. Tudo começa quando cremos na Palavra que Deus nos diz e estamos com o coração disposto a obedecê-Lo. Quando Deus fala aos nossos corações, precisamos estar dispostos a sair da nossa zona de conforto e irmos para onde Ele nos mostrar.

Este é o mistério da fé: não é algo perceptível em um toque, mas na Palavra de Deus. É ela que nos impulsiona a sair e enfrentar o desconhecido, o inesperado. Pedro andou por sobre as águas, mas antes ele teve a audácia de colocar os pés para fora do barco e pisar nelas; assim também, precisamos crer.

No verso dezessete, Abraão creu no Deus que vivifica os mortos - mesmo em idade avançada e Sarah, sua esposa, estéril, ele creu. Abraão creu que Deus iria de encontro a necessidade dele, pois nosso Deus é um Deus que cura enfermos, abre portas, restaura relacionamentos, opera milagres e faz impossíveis acontecer de acordo com a nossa necessidade. Deus não nos olha com um bando, mas como indivíduos; por isso, Ele se apresenta com o EU SOU – Ele é a solução para os nossos problemas, nossas dores, nossos medos e aflições. Ele é a solução para tudo que precisarmos!

Deus é um Deus que a partir de uma única palavra chama a existência tudo o que não existe, conforme lemos em Gênesis 1, Ele chama a existência toda a criação e os seres que nela há. Se crermos, Deus chamará a existência tudo que não existe em todas as áreas da nossa vida: paz para as famílias, amor para os casamentos, equilíbrio para as finanças e harmonia para os empregos. Ele chama: recursos quando não há mais saída, saúde para os enfermos, segurança para os que andam atribulados e paz para os que andam agitados.

Abraão esperou contra toda a esperança – quando todos dizem que não há mais esperança, precisamos também, crer! O Deus que está em nós tem o poder de mudar o curso da história das nossas vidas se ousarmos crer. Mesmo que todos abandonem a tua fé, você precisa crer que a Palavra de Deus irá se cumprir na tua vida, afinal como em Números 23:19 – Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? Pois Ele mesmo diz a Abraão: Segundo o que lhe fora dito, assim será! Quando Deus projeta o futuro, Ele é a própria garantia de que o futuro se cumprirá em nossas vidas!

Ainda aprendemos no verso dezenove, que Abraão esperou sem enfraquecer na fé. Há uma série de coisas que podem contribuir para enfraquecer a nossa fé. Como por exemplo:

a - O Tempo: A espera pode nos fazer deixar de acreditar. Quando nós não vemos o progresso natural das coisas, temos a tendência de enfraquecer na fé. Mas que bom é saber que Deus age no invisível, no sobrenatural Dele. Ele dá aos seus amados enquanto dormem e o desafio da Sua Palavra para nós é: prossigam, continuem e não desanimem. Mesmo em face de nossos problemas, nosso Deus é maior do que todos eles, nós precisamos ter fé! Assim como Jó em meio as dificuldades dele, nos diz em Jó 19: 18-20 – Até os pequeninos me desprezam, e, levantando-me eu, falam contra mim. Todos os homens da minha confidência me abominam, e até os que eu amava se tornaram contra mim. Os meus ossos se apegaram à minha pele e à minha carne, e escapei só com a pele dos meus dentes. Ele conclui nos dizendo que cria que o Redentor dele vivia e que o ajudaria, em Jó 19:25 Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.

b- A Dúvida: Abraão não duvidou da Promessa de Deus. A Dúvida é a maior inimiga da fé, pois questiona a autenticidade das Escrituras. Abraão não duvidou por incredulidade, mas creu as que as Palavras de Deus vivificariam a vida dele. Precisamos crer no que dizem as páginas da Bíblia – elas trazem vida para nós! Passam os céus, passa a terra, mas não passa a Palavra de Deus.

Abraão, além de não ter se enfraquecido na fé, ele se fortaleceu na fé! Ele se lembrava das promessas do Senhor e esperava confiantemente, como em Lamentações 3:24 – A minha porção é o SENHOR, diz a minha alma; portanto esperarei nele.” Precisamos aprender, assim como o profeta Jeremias, a trazer a memória aquilo que nos traz esperança como registrado em Lamentações 3:21 - “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança."

Abraão se fortaleceu na fé, dando Glórias a Deus! Mesmo que não vemos o milagre, precisamos acreditar que ele irá acontecer e dar glórias a Deus por isto, pela convicção de que Deus irá cumprir tudo o que nos prometeu. Gosto da música cantada nos cultos infantis há um tempo: Poderoso, Poderoso, Jesus é Poderoso; Eu Sei que meu Deus é Poderoso para me Salvar!”Jesus tem o poder de salvar a quem quer que seja, pois Ele é Poderoso para apagar o teu passado e te dar uma nova vida. Hoje, você pode crer que Deus é quem fez a Promessa para tua vida e Ele é fiel para cumprir. Deus te abençoe!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 17/08/2008, domingo de noite, na Igreja do Nazareno Central de Campinas pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo.)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

“Uma Igreja dentro de Uma Igreja”


“A Igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se e caminhando no temor do Senhor e, no conforto do Espírito Santo, crescia em número.”

(Atos 9:31)

Esta é a segunda vez que lemos a palavra “igreja” no livro de Atos. Quando se menciona esta palavra: Igreja – no contexto que a conhecemos, trata-se de dois assuntos: A disciplina, toda vez que teu irmão não te ouvir, leve-o à sinagoga (igreja); e quando Jesus diz a Pedro que sobre aquela condição seria edificada a Sua igreja.

Igreja não é um lugar, mas algo sobrenatural. Dentro da Igreja, há uma igreja invisível, imperceptível, que é a ação do Espírito Santo dentro dela e que, vai muito além das liturgias do culto da Igreja visível. Em Atos 2, lemos sobre a Igreja invisível – uma igreja que não tinha comissão de membros, classe de batismo ou discipulado, liturgias de culto, mas tinha a ação sobrenatural do Espírito Santo dentro dela. Quando veio a primeira perseguição, todos se dispersaram, menos os apóstolos que realizavam sinais, prodígios e milagres no meio do povo; enquanto isso, as estruturas da terra eram abaladas.

Quem é a Igreja do Deus Vivo? No meio do povo (todos nós que O adoramos) está a Igreja de Deus. Uma Igreja onde há temor, evangelismo e generosidade.

Que características a Igreja visível precisa ter para que a outra (Igreja invisível) possa funcionar?

1ª. Característica – A Igreja tinha Paz - A igreja precisa ser uma comunidade pacífica! Ela tem diversidade de membros e funções e precisa-se que todos caminhem juntos, em apoio e encorajamento mútuos. Ter paz as vezes é exortar e corrigir, mas precisamos ter paz!

2ª. Característica – A Igreja precisa ser edificada – Nós precisamos construir para esta igreja invisível onde Deus realiza milagres. Nós não vemos esta igreja, mas Deus está vendo e nela opera sinais, milagres e prodígios.

3ª. Característica – A Igreja temia ao Senhor - Há poucos sinais dentro da igreja visível porque não há temor do Senhor!

4ª. Característica – A Igreja tinha Revelação do Senhor – No meio de multidões de palavras há uma específica que Deus fala aos corações de uma forma bem pessoal. Diante de um ato solene, Deus pode interrompê-lo para falar conosco.

5ª. Característica – A Igreja tinha Conforto do Espírito Santo – O Espírito Santo também é chamado de Consolador – aquele que nos conforta. Às vezes damos porcos para Ele, mas quando damos liberdade para Ele agir, o sobrenatural acontece em nossas vidas.

6ª. Característica – A Igreja crescia – A Igreja não é lugar de mortos, mas de vivos! Quando nós procuramos a igreja visível, Deus prepara a Igreja invisível. Precisamos crer que enquanto pregamos, Deus opera sinais (que seguirão aqueles que crerem) e prodígios (um sinal que vai além da nossa imaginação).

E as Escrituras nos dizem que contra esta igreja (sobrenatural, invisível) as portas do inferno não prevalecerão! Nossa oração é para que Deus abra os nossos olhos para que vejamos que mais são os que estão conosco do que os que estão contra nós. Quando sairmos da visível para começarmos a viver sob a ação sobrenatural do Espírito, milagres nos seguirão. Em Atos, todo dia havia uma conversão; conosco não será diferente se estivermos na igreja visível! Deus te abençoe.

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 17/08/2008, domingo pela manhã, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

domingo, 17 de agosto de 2008

Texto Base: I Crônicas 29: 1-5


Os princípios da Palavra de Deus são os princípios que devem nortear as nossas vidas – É a Bíblia que ilumina a minha vida, conforme lemos em Salmos 119:105 – “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos.” A Palavra deve ser luz para os nossos caminhos, e não simplesmente um amuleto usado para as situações emergenciais que precisarmos. Se quisermos viver uma vida harmoniosa, precisamos viver segundo o que a Palavra de Deus nos ensina – Ela trata de todos os aspectos para uma vida digna, inclusive quando se refere ao dinheiro: “O justo jamais mendigará o pão.”

No versículo primeiro do texto lido, Davi chama a toda congregação para anunciar que a o palácio (pode-se traduzir por templo) não é para homens, mas para Deus. E, no versículo três, ele mesmo diz que por amar a Casa de Deus, tudo que tinha entregaria para a casa de Deus, conforme lemos “E ainda, porque amo a casa de meu Deus, o ouro e a prata particular que tenho, dou para a casa de meu Deus, afora tudo quanto eu preparei para o santuário.” E então, Davi pergunta à congregação no verso cinco: “Quem, pois, está disposto, hoje, a trazer ofertas literalmente ao Senhor?” Podemos extrair dessa passagem um princípio importantíssimo para nossas vidas: A oferta ao Senhor tem que ser algo que venha da sua disposição.

O culto a Deus é feito da oração, dos nossos louvores, de ouvirmos a Palavra, bem como, de trazermos as ofertas ao Senhor, mas isto tem que ser algo feito com a disposição de coração – não por imposição ou obrigação, mas com o coração disposto, como um ato de agradecimento a Deus por tudo que Ele tem feito por nós.

Muitas das bênçãos na área financeira que esperamos, vem no ato de ofertar com o coração, note bem amado: Deus não quer que O ofertemos por imposição ou obrigação, mas com o coração grato a Ele, por disposição de coração. E, se assim o fizermos, de acordo com a passagem de Romanos 12: 12,13 – “regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes; compartilhai as necessidades dos santos; praticai a hospitalidade.” – Deus, na Sua maneira e no Seu tempo, irá nos recompensar. Deus te abençoe!

(Montagem feita a partir de ministração feita dia 12/08/2008, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

“ Sim, É Possível!”


Texto Base: Marcos 9: 14-29

Este texto é narrado em três evangelhos, e todos trazem a nós algumas particularidades a respeito desta história, que gostaria de compartilhar com vocês:

1ª. Particularidade – Este menino era o único filho daquele homem – fruto do ventre da esposa dele.

2ª. Particularidade - Jesus havia acabado de descer do monte da transfiguração com Pedro, Tiago e João, lá os três discípulos tinham visto a plenitude da glória de Deus, ficaram atônitos com tudo que viram (verso seis) a ponto de pedirem a Cristo que ficassem por lá e montassem três tendas, uma para Jesus, outra para Moisés e outra para Elias. Os outros nove discípulos haviam ficado em baixo do monte com a multidão.

3ª. Particularidade – Logo que Jesus desce do monte, Ele encontra esta cena: a multidão escarnecendo os nove que ali estavam porque eles não conseguiam expulsar o demônio que estava incomodando o menino.

Às vezes lidamos com situações que não sabemos que elas são causadas pelo demônio, no caso daquele menino, o demônio o atormentava desde a infância. O que fazer então, se nós buscamos ajuda e ela não vem? Porque às vezes nos deparamos com situações que classificamos como impossíveis?

O texto diz que o menino estava definhando – o pecado tem o poder de nos fazer definhar, perdemos a alegria; o que era uma palavra de amor, de repente, começa a definhar. Jesus, diante daquela situação identifica três situações claras que precisamos aprender para que o milagre aconteça – Deus olha para o nosso coração, para a nossa fé e para a forma como encaramos nossos problemas!

1ª. Situação - “Ó geração incrédula”

A primeira situação identificada por Cristo era a falta de dos discípulos. A fé é o princípio para transformar as adversidades em situações de bonança em nossas vidas, precisamos aprender a crer mais. O próprio Cristo nos afirma que se tivermos fé do tamanho de um grão de mostarda (bem pequeninho!) removeríamos os montes!

Muitas vezes não é o nosso problema que é grande demais, mas a nossa que é pequena demais. Davi ao encarar Golias (o gigante dos filisteus!) não olhou para o tamanho de seu desafio, porque ele tinha uma muito maior que a de Golias. Precisamos despertar em nosso coração um espírito de ousadia para crer que Deus pode nos transformar completamente para termos mais fé!

Se crermos além daquilo que imaginamos, Deus irá nos surpreender. Confessamos à Jesus com os nossos lábios, mas cremos com o coração. Por mais que você já tenha sofrido (no caso do menino, era desde a infância!), de repente, se você ousar crer tudo vai mudar na sua vida.

Se podes? É isso que Jesus quer te perguntar também, meu amado. Você crê que Jesus quer mudar a história da sua vida? Precisamos sempre, todos os dias, levantar crendo que Deus pode nos ajudar, precisamos olhar para o amanhã com expectativa de que as coisas vão mudar, tudo vai melhorar. Jesus já havia ensinado aos discípulos para expulsar toda arma do diabo na vida dos outros – precisamos crer no que Ele ensinou e colocar em prática nas nossas vidas: Tudo é possível ao que crê!

No verso vinte e quatro, lemos que imediatamente, o pai do menino exclamou com lágrimas. O pai do menino exclamou, crendo, que Jesus poderia ajudá-lo – e a Palavra de Deus se cumpriu na vida dele.

No verso vinte e cinco, Jesus repreendeu o espírito imundo: Precisamos dar ordens sobre os espíritos imundos que nos sufocam em qualquer área da vida. O diabo tem medo que você o repreenda, ele quer te assustar, mas Palavra de Deus nos diz que Jesus veio para que tenhamos vida, e a tenhamos em abundância!

Ao mesmo tempo em que Jesus repreendia o espírito imundo, Ele também ensinava às famílias ali presentes. Hoje, Ele quer te dar libertação plena e vida abundante. Por isso Ele disse: Vá e não voltes mais!

2ª. Situação – “Esse espécie só sai pela oração e pelo jejum”

É quando dobramos nossos joelhos que nós derrotamos os nossos inimigos, porque não somos nós, mas o Senhor quem está na frente da batalha. Quando colocamos nossos rostos no pó, reconhecemos a soberania e majestade de Deus, e Ele vê que precisamos de ajuda. Ao clamarmos o nome dEle, Ele nos ouve e responde nossas orações – Jeremias 33:3: “Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei cousas grandes e ocultas, que não sabes.” A oração amolece o coração de Deus!

3ª. Situação – “Essa espécie só sai pela oração e pelo jejum

O jejum deve acontecer quando pegamos uma situação específica e a colocamos nas mãos de Deus, crendo que só Ele pode nos ajudar. Quando colocamos diante de Deus um propósito de jejuar, Ele tira o nosso apetite, pois a nossa vontade em sentir a presença de Deus e receber a bênção que tanto aguardamos é muito maior do que um prato de comida!

Então, aprendemos hoje três segredos que precisamos para vencer as impossibilidades da vida: Muita fé, Mais oração (todos os dias, em todas as situações) e mais consagração em jejum (faça voto que se possa cumprir, afinal Deus olha o coração do homem e não o exterior!)

No final da história lida, Jesus estendeu a Sua mão e levantou o menino, todos puderam ver que aquilo que parecia impossível tornou-se possível por causa da fé! Deus te abençoe!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 12/08/2008, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo.)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Isaías 44


Texto Base: Isaías 44: 1-5

Há certos momentos da vida que Deus fala ao nosso coração como uma “avalanche”. Como se estivéssemos em um lugar distante e de repente, ouvimos uma voz como uma brisa suave, ou até mesmo, como um forte tornado. Neste texto do profeta Isaías, Deus tem falado à corações desta forma, e espero que contigo também seja assim. Há neste texto, alguns princípios que precisamos entender, dentre eles destacamos:

1º. Princípio - verso 1 - Precisamos entender que somos escolhidos por Deus!

Podem vir adversidades, dificuldades, lutas, um espinho na carne como Paulo, alguém que durante a semana partiu para estar com o Senhor – não importa a tua luta, meu amado – Você é escolhido de Deus!

2º. Princípio – verso 2 – Nós fomos feitos para o louvor e glória do Senhor Jesus!

O Senhor te formou para dar frutos e ser um verdadeiro adorador. Não permita que nenhuma angústia que você possa estar vivendo, te impeça de viver para adorar a Deus – quem te fez foi o Senhor!

3º. Princípio – verso 2 – Deus te formou no Ventre!

Toda permissão é dada por Deus, foi Ele quem te formou e é Ele quem te ajudará! Para tudo que fazemos, é comum encontrarmos barreiras: sejam nas áreas financeira, social, profissional; barreira para lidarmos com calúnias, injustiças e competitividade forte, mas a Palavra de Deus nos diz que, apesar das dificuldades, Ele nos ajudará! Conosco está o braço forte do Senhor! Paulo e Silas quando estavam dentro da prisão, adoraram e louvaram ao Senhor; como conseqüência viram as cadeias se abrirem e as algemas quebrarem. Deus estava com Paulo e Silas na prisão e está com você também em meio à sua luta. Deus trabalha, ajuda e opera milagres em teu favor. Como diz as Escrituras: “Os que esperam no Senhor subirão como águias!”

Nada se compara com o que Deus pode realizar em nossas vidas, Ele não trabalha no nosso tempo, mas em um tempo totalmente diferente – quando tudo parece que não há mais esperança, quando tudo vai dar errado, Deus vem a nós com sua mão de graça e misericórdia e estende o seu favor para nossas vidas! Fé, Oração e Espera são palavras que Ele hoje te fala, meu amado – e então, ajuda dos céus descerá sobre ti! Deus tem colocado uma porta aberta diante de ti – porta de reconciliação, emprego, saúde – basta orar, ter fé e esperar confiantemente nEle.

No final, conforme lemos no verso três, Deus colocará água em terra seca. Tudo aquilo que não há nada na tua vida, não gera nada e não produz nada; Deus irá fluir rios de água em teu viver. E no verso quatro, Ele nos garante que os lugares secos da tua vida começarão a produzir – tua vida espiritual começará a dar frutos, tua vida financeira será equilibrada e abundante, tua vida emocional será diferente – pois o Senhor fará fluir o Espírito Santo em tua vida!

E para concluir, assim como o profeta Isaías disse no verso cinco, você também irá dizer: “Eu sou do Senhor!” Você é a menina dos olhos do Pai – Ele te escolheu, te ajuda e declara que fará você produzir. Deus te abençoe!

(Montagem extraída a partir do sermão pregado dia 11/08/2008, segunda-feira, na Igreja do Nazareno Central pelo Pr. Alex Fonseca, anotado por Lucas Tognolo)

(Alex B Fonseca formou-se pelo Seminário Teológico Nazareno - 1994, estudou em Point Loma Nazarene University - 96-99, especializando-se nas seguintes áreas: Língua Inglesa, Ministério com Adolescentes e Jovens, e Mestrado em Ministérios; atuou na Igreja do Nazareno de San Jacinto - CA – USA, como pastor voluntário junto ao Ministério de Juniores e Louvor; e como missionário responsável no Louvor, Evangelismo, Jovens e Missões, na Igreja do Nazareno em Tehachapi - CA – USA, 1998-2001, faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 2001)

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

“Não removas os marcos antigos que puseram os teus pais”


“Não removas os marcos antigos que puseram os teus pais”

(Provérbios 22:28)

A palavra marco significa marcar. Quando os colonizadores saíram para buscar novas terras, tinham em suas embarcações alguns piquetes de madeira, normalmente com o emblema real, para que pudessem marcar os limites do território que seria encontrado. Tal ação representava que se alguém chegasse naquelas terras após eles, entenderiam que elas já haviam sido ocupadas primeiramente.

Por três vezes no livro de Provérbios encontramos esta expressão: Não remover os marcos antigos que puseram os teus pais. Todos nós temos por herança, de nossos pais, marcos: sejam estes marcos, o nosso temperamento, os nossos atos e as nossas atitudes. É impossível remover os marcos deixados por nossos pais!

Quais são os marcos importantes da vida que não deveremos remover?

1º. Marco – Os marcos dos pais da igreja

Anastácio, Eusébio e Irineu foram considerados pais da igreja, como tantos outros, que estabeleceram princípios importantes para nós de doutrinas bíblicas. A igreja no passado vivia mais por intuição, pois não havia nada escrito; toda instrução era passada verbalmente – neste contexto surgiram os pais da igreja com toda espécie de ensinamento. Foram os pais da igreja que nos deixaram fazer o que precisávamos e nos impediram de fazer o que não devíamos. Hoje, com tanto “burburinho”de igrejas surgindo vemos pessoas que fundam/afundam igrejas constantemente – precisamos voltar no passado e relembrar os marcos impostos para nós. As Escrituras nos afirmam em Mateus 16:18 – “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” – Sobre a igreja santa e agradável ao Senhor, as portas do inferno não prevalecerão – não remova os marcos dos antigos!

2º. Marco – O Marco de uma Igreja Sofredora

Uma igreja sofredora é uma igreja que paga o preço para ensinar as verdades do Reino: o Evangelho de Jesus Cristo. Ele mesmo nos diz em Mateus 16:24 – “Então disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.”

3º. Marco – O Marco de uma Igreja Apostólica

A mesma fé que Jesus Cristo ensinou aos apóstolos é a fé que praticamos, conforme lemos em Atos 2:42 – “E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir dos pão e nas orações.” Sinais, prodígios e poderes miraculosos são características das realizações dos apóstolos da igreja. Sinais eram tudo aquilo que o povo podia ver; prodígios, tudo que quebra a lei da natureza; e poderes miraculosos, realizações de todo tipo de milagre. Confirmamos isto ao ler Atos 3:6 – “Pedro, porém, lhe disse: “Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isto te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda”!.

Pedro, Tiago e João são colunas em que a igreja devem se sustentar. Pedro, por sua doutrina ensinada; Tiago, por sua fé ensinada; e João, por seu amor ensinado. Não podemos deixar o tipo de doutrina que fomos ensinados pelos nossos pais da fé. Hoje em dia, troca-se de igreja como se troca de roupa. O autor de Hebreus mesmo nos relembra em Hebreus 13:7 – “Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregam a palavra de Deus e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram.”

Na história da Igreja do Nazareno, podemos aprender muito com nossos guias. Através do Dr. Mosteller, a oração; através do Pr.Gates, a compaixão; através do Pr. Kratz, a ver sempre o melhor nos outros; através do Pr. Collins, o intenso trabalho.

O isolamento muitas vezes pode matar a nossa fé. João Batista mesmo, na prisão, perguntara se Jesus era realmente o Messias ou se não o era. O mesmo João que disse: Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” – o isolamento mata a nossa fé. Cuidado!

O apóstolo Paulo nos diz: Aquele que começou a obra, não vai acabar!” Tranqüilize-se e não remova os marcos dos antigos! Temos no nosso corpo as marcas de Cristo: Fé, Oração, Ensino, Doutrina. Aquele que começou a boa obra em tua vida não irá te abandonar! Deus te abençoe!


(Montagem feita através do sermão pregado dia 10/08/2008, domingo de noite, pelo Pr. L Aguiar Valvassoura, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo).

(L. Aguiar Valvassoura, Pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, SP, é preletor e conferencista em vários congressos e seminários nacionais e internacionais, bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Nazarena de Campinas – Brasil, doutor Honoris Causa pela Universidade Nazarena de Point Loma – EUA, é criador do Colégio Jaime Kratz e da Associação Nazarena Assistencial que atende hoje cerca de 310 crianças e é fundador do Ministério Mãos Estendidas)

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Você Precisa ser Determinado!


“Você Precisa Ser Determinado”

Texto Base: Daniel 1:8

No contexto do texto lido, Daniel foi levado deportado de Jerusalém para a Babilônia durante o reinado do Rei Jeoaquim, que fora escolhido na Babilônia imperador dos caldeus por três anos. Daniel possuía idade entre doze e dezesseis anos naquela época. Como é que um garoto nessa idade chega em um império formidável, olha a comida e a bebida oferecidos pelo imperador, e decide não se contaminar com aquelas iguarias oferecidas a demônios? Imagine um garoto, longe do pai e da mãe, em um império fantástico e que não se contamina com as "iguarias" oferecidas a ele.

Na passagem de Daniel 2:23 - Ó Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei” – notamos que os PAIS de Daniel foram fundamentais para ele ser o que foi (DETERMINADO). Os pais são os arquitetos e os construtores da família – relacionamentos conjugais problemáticos geram filhos problemáticos. Cuidado! Que tipo de filhos nós estamos criando? Em Provérbios 2:6, encontramos uma boa maneira de criarmos nossos filhos – Porque o SENHOR dá a sabedoria; da sua boca é que vem o conhecimento e o entendimento – com o entendimento e conhecimento que vêm do Alto. Devemos tomar cuidado com a duplicidade de personalidade, isso pode gerar doença mental grave – em casa de um jeito e na igreja de outro jeito. Que tipo de geração nós estamos criando?

1ª. Geração - Geração Rebelde – Porque em casa não tem princípio, autoridade, disciplina e punição! Muitas vezes é melhor vermos nossos filhos chorarem uma vez do que nós chorarmos por causa deles depois. Não falo aqui de um ato de violência, mas sim, um ato de disciplina enquanto temos filhos pequenos em idade de aprendizado; devemos honrá-los quando merecerem e discipliná-los quando for preciso.

2ª. Geração – Geração Perversa e Má – Porque em casa não se tem amor, carinho e afeto, e sim, valores matérias (tênis de marca, televisão, etc). Uma relação de afeto é aquela onde se fazem refeições junto, há abraços e beijos.

3ª. Geração – Geração que não teme à Deus – Porque os pais não honram à Deus – não levam os seus filhos para serem ensinados na escola bíblica, não fazem devocionais ensinando a Bíblia para o seus filhos – Pais devem “impregnar” a Palavra de Deus no coração de cada filho, conforme lemos em Provérbios 22:6“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”.

Na passagem vemos escrito também que “Daniel aceitou em seu coração. Ele foi uma pessoa determinada na vida, ou seja, alguém responsável por suas escolhas baseado em seus princípios. Uma pessoa que sabia o que queria e onde iria chegar. Daniel decidiu três coisas importantíssimas na vida dele e que servem de base para nós também.

1ª. Decisão (implícita) – “Eu não vou me contaminar”

Tudo que estragasse a vida de Daniel, ele não queria! Há dois instintos naturais em qualquer ser humano: a fome e a sede. Porém, Daniel decidiu em seu coração pular fora das iguarias do Rei para não prejudicar seu relacionamento com Deus. Assim como lemos nas Escrituras em I Coríntios 10:23 – “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam”. Daniel decidiu não amar as coisas do mundo para que o Amor do Pai permanecesse nele, como lemos em I João 2:15 – “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele”. Tiago já nos advertia também que a amizade com o mundo é inimiga de Deus, em seu livro (4:4) – “Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” - devemos assim como Daniel, não nos contaminarmos com as “iguarias” que há no mundo, para que possamos viver segundo o coração de Deus – Em I Pedro 4:2 - “Para que, no tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus” . E a vontade de Deus é a nossa santificação – I Tessalonicenses 4:3 – “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição”.

2ª. Decisão (explícita) – “Eu escolho meus amigos”

Daniel decidiu em seu coração quais pessoas ele queria ter como amigos: Ananias, Misael e Azarias – Amigos que, assim como ele, tinham um compromisso com Deus. Devemos decidir nossas amizades à luz da Bíblia – I Coríntios 15:33 - “Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes”. Daniel era bem determinado em ter um relacionamento profundo com Deus.

3ª. Decisão (explícita) – “Eu sei o que eu quero da vida”

Os quatro rapazes estavam sendo preparados para serem alguém dentro do Império e não para servirem “bebidas e comidas” para o povo, e assim também precisamos saber o que queremos ser, aonde queremos chegar. Aonde você quer chegar meu amado? O que você quer nessa vida? Jesus veio ao mundo para que tenhamos vida e a tenhamos em abundância, conforme João 10:10 – “O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”. Precisamos ter objetivos na vida! Para chegarmos em algum lugar, tudo começa com um pensamento (memória, passado) que se torna em sonho (pode até ser utópico) e se materializa em visão, a visão parte para a ação que torna a ser um hábito e molda o caráter para chegar em um destino. “As atitudes que você tomar na sua vida; irão decidir as atitudes que a tua vida terá em relação a você”. Deus reage muito às nossas atitudes do que propriamente age usando Sua Soberania e Poder, conforme lemos em Deuteronômios 30:19 – “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”.

As atitudes de Daniel geraram nele um resultado. Se você for determinado e decidir aonde quer chegar, Deus vai agir em seu favor. Vejamos três promessas de Deus para Daniel que valem para nossas vidas também se decidirmos ser determinados:

1ª. Promessa – (Verso 9) – Deus deu a Daniel Graça e Misericórdia diante dos chefe dos eunucos.

2ª. Promessa – (Versos 19,20) – Os quatro rapazes se destacaram no meio social onde viviam.

3ª. Promessa – (2:48) – Daniel foi preparado para servir o Rei no seu protocolo, mas agora, fora colocado como governador do Império. DEUS vai te colocar em posições maiores que você nunca imaginou!

Deus te abençoe!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 22/07/08, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas pelo Pr. Silas Malafia, anotado por Lucas Tognolo)

(Silas Malafaia é Pastor da Igreja Assembléia de Deus na Penha, Rio de Janeiro/RJ, Psicólogo, Conferencista Internacional, Professor de Teologia nas cadeiras de Evangelismos Pessoal e Síntese do Antigo Testamento, Vice-Presidente do CIMEB – Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil e possui um dos mais antigos programas evangélicos na TV).

terça-feira, 5 de agosto de 2008

A Oração de Jabez


Texto Base: I Crônicas 4: 9-11

Há alguns anos atrás surgiu um livro de grande circulação nos EUA – A Oração de Jabez – que foi uma “febre” mundial. Em visita a um hospital, o Pr. Jocymar da Igreja do Nazareno, junto com alguns médicos ao redor do enfermo ouviu de um dentre os médicos: “O que é que a oração de um pastor pode fazer nesta hora?” Meu amado, na Bíblia lemos diversas orações que nos trazem ousadia em meio à situações como a presenciada pelo nosso querido pastor. Ana orou e o coração de Deus e a do sacerdote Elias foram amolecidos para atender o seu favor; Jesus mesmo nos ensinou a orar para que pudéssemos encher nossas vidas de alegria.

Este texto das Escrituras nos apresenta uma pequena oração feita por um moço chamado Jabez – alguém que foi gerado em meio à dores. Deus o abençoou com a Sua graça, pois havia ouvido a oração deste moço. Aprendemos com a oração feita por Jabez alguns princípios importantes para nossas vidas.

1º. Princípio: (verso dez): Jabez invocou o Deus de Israel

Note bem amado que ele não se apoiou na expectativa que colocaram em sua vida, mas no poder que há na oração. Ele se apoiou na oração ao verdadeiro Deus. Podemos notar neste texto uma pequena oração produzindo grandes resultados porque Jabez teve coragem para orar. Nosso Pai ainda ouve as nossas orações, Ele mesmo nos diz através do profeta Jeremias em Jeremias 33:3 – “Clama a Mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas que tu não sabes”

2º. Príncipio: (verso dez): “Que o Senhor me abençoe

A oração de Jabez foi focada: ser abençoado. Ele queria ser uma benção. Assim como Deus prometeu a Abraão ao chamá-lo para deixar tudo e O seguir que este seria uma benção; Jabez pede o mesmo. Meu amado, você é uma benção porque o Senhor escreveu seu nome no Livro da Vida, apagou o seus pecados e quer te usar para que o nome Dele seja glorificado. Aleluia!

3º. Princípio: “Que o Senhor alargue as minhas fronteiras”

O desejo de Deus para vida deste moço – Jabez – é de que ele não fosse uma pessoa limitada porque alguém o estigmatizou, o rotulou negativamente; mas sim, Deus queria que a vida dele fosse unicamente limitada pela graça! Amplie sua visão meu amado – há milhares de pessoas a sua volta precisando ouvir a Palavra de Deus. Jabez queria acreditar que o Senhor tinha algo tremendo para a vida dele. E assim devemos também proceder!

4º. Princípio: “Jabez orou para que a mão de Deus fosse sobre a vida dele

Não desejamos estar nas mãos das pessoas à nossa volta, das circunstâncias em que vivemos; mas nas mãos do Senhor. Quando a mão de Deus está nas nossas vidas, o favor Dele está sobre nós. Na Bíblia lemos que no mundo teremos aflições e perseguições, mas como é bom saber que a mão do Senhor está conosco e de todas elas Ele nos livra. Os três amigos de Daniel foram jogados na fornalha e não se queimaram, Paulo e Silas estiveram no cárcere e ali glorificaram a Deus; porque todos eles estavam nas mãos de Deus! Deus nos ama tanto, meu amado, que Ele gravou o nosso nome na palma de Suas mãos. Ele é o oleiro que pega nossa vida como um vaso quebrado e a transforma. Quantos cacos quebrados e que ninguém viu mais nada, mas o Senhor colocou Sua mão sobre estes cacos e os transformou? Em Deuteronômios 28:7 - "O SENHOR entregará, feridos diante de ti, os teus inimigos, que se levantarem contra ti; por um caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão da tua presença."

5º. Princípio: “Me preserves do mal”

Jabez vê o fracasso em sua vida, pede para que Deus o transforme em sucesso, mas também, pede para que Deus não deixasse que o sucesso o destruísse. O sucesso é a causa da destruição de grandes pessoas – Davi no palácio viu a Bate-Seba e pergunta a um de seus oficiais quem era aquela moça, o oficial lhe disse: “É Bate-Seba mulher de Urias”, mas Davi estava tão alto que não ouviu a voz de Deus e cometeu adultério. Meu amado, nós só estamos em pé por causa da graça do Senhor em nossas vidas. Que o Senhor possa nos livrar de pecar, esquecer a Palavra de Deus e o compromisso com Ele. Há muito o que fazer por Ele ainda! Não podemos nos conformar enquanto pessoas morrem de fome espiritual todos os dias a nossa volta.

6º. Princípio: “E o Senhor, me concedeu...”

Jabez acreditou na resposta. Precisamos acreditar que Deus ainda é o El Shadai, o Todo-Poderoso. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Nosso Deus não muda e continua operando milagres e maravilhas nas nossas vidas.

Para concluir, lemos que Jabez tornou-se o mais ilustre da sua casa. Conforme Sofonias 3:20 – “Naquele tempo eu ajuntarei vocês; naquele tempo eu os trarei para casa. Eu lhes darei honra e louvor entre todos os povos da terra, quando Eu restaurar a sua sorte diante dos seus próprios olhos, diz o Senhor” – Deus pode mudar a história de cada um de nós para que o Seu nome seja glorificado. Deus te escuta, te entende e Ele te concede um melhor caminho para a tua vida!

Deus te abençoe!

(Montagem feita através do sermão ministrado dia 03/08/2008, domingo pela manhã, pelo Pr. Jocymar B. Fonseca, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, anotado por Lucas Tognolo)

(Jocymar B. Fonseca é formado pelo Seminário Nazareno em 1994 e faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 1995 na qual atua como pastor responsável pelo ministério de louvor e adoração e é líder do ministério Celebrai.)

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Aliança com Deus: É Impossível, mas Deus Pode!


Texto Base: Gênesis 18: 1-15

Abraão recebe um chamado por Deus, em Gênesis 12 lemos como fora feito esse chamado por Deus, Deus pede a ele que deixasse tudo (terra, parentela, afazeres) e fosse para onde o lugar que Ele mostrasse para abençoá-lo, conforme Ele promete: “Sê tu uma bênção”. Esta promessa soou para Abraão como uma grande chama, e também nós, vivemos com uma promessa de Deus para nossas vidas.

O fato de termos promessas de Deus não indica que Deus não precisa nos tratar! Antes de abençoar Abraão, Deus precisava tratá-lo, prepará-lo para a dimensão das coisas que Deus tinha proposto em Seu coração para a vida do seu servo – Deus não dá armas para inconseqüentes. Muitas vezes é necessário passarmos pelo deserto, lugar onde nosso caráter é moldado e transformado por Deus; mas lembremos que os desertos que passamos não são para uma vida toda, é apenas uma preparação para chegarmos aos lugares altos que o Pai tem para nós. No caso de Abraão, este fora chamado na idade de setenta e cinco anos e esperou por dezenove para receber a promessa, um pouco atrasada devido ao projeto Ismael. Meu amado, não importa os empecilhos que a vida te colocar, Deus não desiste de você para que a Sua promessa se cumpra na tua vida e o Seu nome seja glorificado! Aleluia!

Analisando esta passagem da história de Abraão, podemos extrair quatro respostas para uma pergunta: Há alguma coisa impossível para Deus?

1ª. Resposta – Verso 1 – “O Senhor Apareceu a Abraão”

Perceba bem meu amado, que Deus se faz presente na vida de Abraão. Deus se revela para Abraão como um ser e mais dois anjos durante o período do dia de maior calor (muito intenso!). Mas note no Verso 2 “Abraão ergueu os olhos e viu”. Precisamos de colírio do Espírito Santo para ao invés de acharmos que nossa vida está um caos, começarmos a perceber que Deus está presente. Um dos nomes do nosso Deus é Emanuel – Deus conosco. Meu amado, você e eu não estamos sozinhos, abandonados! Deus é conosco! Em Mateus 28:20 está escrito:Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” Você pode até ter sido jogado em uma fornalha,mas os teus adversários serão surpreendidos com quarto homem dela – o Deus Todo-Poderoso – que te dará o livramento.

2ª. Resposta – Verso 2 – “Prostrou-se ao chão”

Abraão era alguém que beija o pé - um adorador, um servo que se prostra diante do Todo-Poderoso e não diante das circunstâncias ao redor dele. Quantos de nós podemos glorificar a Deus hoje? Será que hoje você pode dizer a Deus em uma atitude de adoração, assim como Abraão: Pai, a minha vida está nas Tuas mãos e eu Te louvo porque Tu te fazes presente.” Aleluia!

3ª. Resposta – Deus também é um Deus de Promessas!

No verso oito lemos que todos se alimentaram e no verso dez que certamente Sarah teria um filho. A promessa de Deus para tua vida não está com o prazo expirado, ela irá se cumprir no tempo determinado por Deus. No verso onze, lemos que Abraão e Sarah enfrentavam impossibilidades para o cumprimento da promessa de Deus, pois estes eram avançados em idade – fisicamente debilitados – e até mesmo vemos Sarah rindo da situação (verso doze). Meu amado, muitos a sua volta e até você mesmo podem não acreditar no cumprimento de uma promessa estabelecida por Deus em tua vida, mas a Palavra de Deus é clara quando te diz, a ti e a mim também em Zacarias 4:6: E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do SENHOR a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos. No verso catorze Deus pergunta a Abraão: Haveria alguma impossível ao Senhor? Meu amado, a situação pode parecer impossível, mas Deus tudo pode fazer! Em Gênesis 21:1 vemos a resposta de Deus a Abrãao - E O SENHOR visitou a Sara, como tinha dito; e fez o SENHOR a Sara como tinha prometido. Quando o Kairós de Deus se encontrar com o Cronos humano, o milagre vai se cumprir para que o nome Dele seja glorificado!

4ª. Resposta: Deus cumpre o que Ele fala!

Como lemos em Jeremias 1:12 - E disse-me o SENHOR: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para cumpri-la. – o Senhor não falha em cumprir o que nos promete. Em Eclesiastes 3:1, Deus nos faz lembrar que tudo tem o seu tempo para que cada promessa se cumpra - TUDO tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

Deus te abençoe hoje e sempre! É impossível, mas Deus pode!

(Montagem feita através do sermão pregado dia 29/07/2008, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Jocymar Fonseca, anotado por Lucas Tognolo)

(Jocymar B. Fonseca é formado pelo Seminário Nazareno em 1994 e faz parte da Equipe Pastoral da Igreja do Nazareno Central em Campinas desde 1995 na qual atua como pastor responsável pelo ministério de louvor e adoração e é líder do ministério Celebrai.)