segunda-feira, 22 de setembro de 2008

II Cro 20


Texto Base: II Crônicas 20:1,6

Algumas situações da vida nos geram medo – medo das mais diversas coisas e situações. Todos nós temos medo de alguma coisa; para um rei nada é mais temível do que ter seu reinado ameaçado. Esta é a história que lemos: Um encontro que começa com uma má notícia – povos inimigos já tinham invadido o reinado de Jeosafá. O rei foi alertado pelo povo a abrir seus olhos para aquela invasão de três povos inimigos em seu território. Diante dessa situação, de acordo com o verso três, Jeosafá teve medo. O medo é um sentimento comum diante de situações que trazem desconforto e insegurança; e nos faz ficar acovardados para fugir das situações de perigo.

Satanás, o nosso adversário, gosta de nos avisar a cerca de situações de perigo a fim de nos deixar com medo, tendo em mente, evitar que preguemos o Evangelho. Diante do medo temos duas situações: Fugir ou Atacar! O que fazer quando os inimigos põem-se na porta de nossa casa e o medo surge? Sejam nossos inimigos, uma multidão em forma de drogas, álcool, cigarro, dívida ou qualquer situação dramática que tenta nos sufocar.

A primeira coisa que devemos fazer diante do medo é buscar ao Senhor. Se existe uma coisa que o diabo não quer que façamos é buscar a Deus diante do pavor repentino que nos abala. Precisamos buscar refúgio e abrigo na presença do Senhor, conforme lemos nos Salmos 91:1,2 – AQUELE que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.” Normalmente deixamos para buscá-Lo em última instância, mas não é isso que aprendemos com a situação vivenciada pelo rei Jeosafá – Diante das crises, há um Deus assentado no Alto e Sublime trono esperando por nós, pronto para nos ajudar!

A segunda coisa que aprendemos com a lição é que o rei apregoa um jejum, ou seja, ele orava juntava com o povo. Precisamos levar as cargas uns dos outros, ter parceiros de oração que nos ajudem na hora da dificuldade. Como dito em Eclesiastes 4:9 – Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.” Jesus normalmente mandava que Seus discípulos orassem dois-a-dois para que se o inimigo levantasse, não prevalecesse! De acordo com o verso quatro do texto, Judá se consagrou para pedir socorro a Deus.

Precisamos também ter pessoas dispostas a orarem por nossas causas, pedir socorro a Deus. O povo começou a se juntar e Jeosafá, o responsável pela nação, se põe de pé diante do povo e diz para dizer ao povo: “Toda vez que o inimigo quiser te assustar, diga a ele quem é o teu Deus.” – enchendo assim o povo de fé! A terceira lição que aprendemos é que devemos nos lembrar de quem é o nosso Deus, o Deus que tem toda força e poder em Suas mãos. A oração de Jeosafá é uma oração de fé, como lida no verso nove, “Se algum mal nos sobrevier, espada, juízo, peste, ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois teu nome está nesta casa, e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás”, pois ele tinha certeza de que quando a situação aperta; a oração a Deus faz toda a diferença! A oração da fé faz com que tiremos nossos olhos do problema e os transferimos para o Alto, de acordo com o autor de Hebreus em Hebreus 12 – “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.”

E, após o povo orar com fé a Deus, de acordo com o verso quatorze – “Então veio o Espírito do SENHOR, no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe” – o Espírito Santo veio sobre eles; e quando isso acontece, meus queridos – sai da frente! Em Jeremias 29:13 lemos: “E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.” Nada poderá deter o poder da Palavra de Deus nas nossas vidas quando o Espírito Santo entra em cena!

Após tudo isso, a primeira coisa que Deus faz para nós é nos dizer: Não temais! O verdadeiro amor lança fora todo medo, pois sobre nós está a autoridade do nome do Senhor. Não nos assustemos com a grande multidão que possa se levantar contra nós, pois mesmo o inimigo sendo forte; Deus é maior e diante da grandeza de Deus, o inimigo foge!

Tudo que nós temos pertence ao Senhor, a peleja que enfrentamos não é nossa também, mas Dele! Mas, o Senhor pede que tomemos posição diante da batalha, o que exige de nossa parte. Como lemos no verso dezessete – “Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados, e vede a salvação do SENHOR para convosco, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o SENHOR será convosco.”

E tendo feito isso, após a batalha, o povo louvou ao Senhor (Verso vinte e um – “E aconselhou-se com o povo, e ordenou cantores para o SENHOR, que louvassem à Majestade santa, saindo diante dos armados, e dizendo: Louvai ao SENHOR porque a sua benignidade dura para sempre.” ) Dêem graças ao Senhor, pois o Seu amor dura para sempre; não importam às circunstâncias, devemos dar graças a Deus!

E quando o povo começou a louvar, Deus colocou uma emboscada diante dos inimigos (Verso vinte e dois – “E, quando começaram a cantar e a dar louvores, o SENHOR pôs emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os das montanhas de Seir, que vieram contra Judá, e foram desbaratados”) – e não sobraram nenhum deles (verso vinte e quatro – “Nisso chegou Judá à atalaia do deserto; e olharam para a multidão, e eis que eram corpos mortos, que jaziam em terra, e nenhum escapou”)!

As únicas coisas que Deus nos pede são para O buscarmos, oremos a Ele com mais pessoas, lembremos quem Ele é e O louvemos! Então, o vale do medo se transformará em vale de bênçãos. De acordo com o verso vinte e sete, o povo voltou alegre para Jerusalém e, no verso vinte e nove, os inimigos temeram quando souberam que era Deus quem lutava por Israel. O resultado de tudo isso foi que houve paz no reino de Jeosafá, pois Deus tinha dado a ele repouso. Que hoje Deus te dê repouso e muita paz diante de todas as multidões que possam se levantar contra ti!

(Montagem feita a partir do sermão pregado dia 16/09/2008, terça-feira, na Igreja do Nazareno Central de Campinas, pelo Pr. Flávio R Valvassoura, anotado por Lucas Tognolo)

(Fávio R. Valvassoura é pastor da Igreja do Nazareno Central de Campinas, formado pelo Seminário Teológico Nazareno e também pelo Beeson Institute do Asbury Theological Seminary, EUA, com especialização em Pregação Bíblica e Liderança Eclesiástica, é coordenador nacional e sul-americano de treinamento e capacitação de líderes. Membro da Junta Geral. Doutor em Ministério pelo Asbury Theological Seminary, Wilmore, KY,EUA. Desenvolveu ministério como pastor na Igreja do Nazareno Ebenézer – Campinas, SP e na Igreja do Nazareno Brasileira – Nova York, EUA. Atua na equipe pastoral da Igreja do Nazareno Central desde 2005.)